500 ANOS DE HISTORIA E GENEALOGIA DA PRESENCA BARBALHO NO BRASIL

500 ANOS DE HISTORIA E GENEALOGIA DA PRESENCA BARBALHO NO BRASIL

Conteudo deste blog – All contents

0. PURA MISTURA

https://val51mabar.wordpress.com/2016/11/26/trumpando-o-eleitor/

https://val51mabar.wordpress.com/2016/06/08/conspiracoes-alienigenas-tesouros-desaparecidos-e-dominacao

https://val51mabar.wordpress.com/2015/12/23/aliens-conspiracies-disappeared-treasures-and-dominance/

https://val51mabar.wordpress.com/2016/09/17/ridiculosamente-falando/

1. GENEALOGIA

https://val51mabar.wordpress.com/2017/03/11/a-historia-e-a-familia-barbalho-coelho-andrade-na-historia/

https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-no-brasil/

https://val51mabar.wordpress.com/2016/10/22/encontro-jose-vaz-barbalho-mais-uma-vez-e-outras-noticias-para-a-familia-coelho/

https://val51mabar.wordpress.com/2016/03/25/os-rodrigues-coelho-e-andrade-do-carlos-drummond-em-minas-gerais/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/07/22/um-nosso-lado-cristao-novo-e-talvez-outro-paulistano/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/05/10/nos-os-nobres-e-a-avo-do-juscelino-tambem-pode-ter-sido-barbalho-coelho/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/03/07/algumas-notas-genealogicas-20132014/

https://val51mabar.wordpress.com/2014/04/14/genealidade-e-genealogia-de-ary-barroso/

https://val51mabar.wordpress.com/2013/12/06/genealogias-de-familias-tradicionais-de-virginopolis/

https://val51mabar.wordpress.com/2013/05/30/barbalho-coelho-pimenta-no-site-www-ancestry-com/

https://val51mabar.wordpress.com/2012/09/11/barbalho-pimenta-e-talvez-coelho-descendentes-do-rei-d-dinis/

https://val51mabar.wordpress.com/2011/02/24/historico-do-povoamento-mineiro-genealogia-coelho-cidade-por-cidade/

https://val51mabar.wordpress.com/2012/07/02/familia-barbalho-coelho-no-livro-a-america-suicida/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/05/23/a-historia-da-familia-coelho-do-centro-nordeste-de-minas-gerais/

https://val51mabar.wordpress.com/2011/04/24/a-familia-coelho-no-livro-a-mata-do-pecanha/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/05/03/arvore-genealogica-da-familia-coelho-no-sitio-www-geneaminas-com-br/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/09/22/ascendencia-dos-ancestrais-jose-coelho-de-magalhaeseugenia-rodrigues-rocha-uma-saga-a-ser-desvendada/

https://val51mabar.wordpress.com/2012/01/17/a-heranca-furtado-de-mendonca-no-brasil/
2. RELIGIAO

https://val51mabar.wordpress.com/2011/05/29/a-divina-parabola/

https://val51mabar.wordpress.com/2011/01/28/o-livro-do-conhecimento-de-deus/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/01/22/carta-de-libertacao/
3. OPINIAO

https://val51mabar.wordpress.com/2014/06/08/a-iii-gm/

https://val51mabar.wordpress.com/2013/01/03/israel-as-diversas-verdades-e-o-padececer-da-palestina-e-outros-textos/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/06/26/faixa-de-gaza-o-travessao-nos-olhos-da-humanidade/

https://val51mabar.wordpress.com/2013/05/12/neste-mundo-so-nao-eh-gay-quem-nao-quizer/
4. MANIFESTO FEMINISTA

https://val51mabar.wordpress.com/2010/07/21/13-estrelas-mulher/

5. POLITICA BRASILEIRA

https://val51mabar.wordpress.com/2014/04/19/movimento-fora-dilma-fora-pt-que-osso-camarada/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/10/16/o-direcionamento-religioso-errado-nas-questoes-eleitorais-brasileiras/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/10/19/resposta-de-um-neobobo-ao-excelentissimo-sr-ex-presidente-fernando-henrique-cardoso/

https://val51mabar.wordpress.com/2011/08/01/miilor-melou-ou-melhor-fernandes/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/08/05/carta-ao-candidato-do-psol-plinio-de-arruda-sampaio/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/05/26/politica-futebol-musas-e-propaganda-eleitoral-antecipada-obama-grandes-corporacoes-e-imigracao/

6. MISTO

https://val51mabar.wordpress.com/2014/06/08/a-iii-gm/

https://val51mabar.wordpress.com/2013/11/06/trilogia-de-variedades/

https://val51mabar.wordpress.com/2012/12/30/2012-in-review/

https://val51mabar.wordpress.com/2012/07/02/familia-barbalho-coelho-no-livro-a-america-suicida/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/01/25/03-o-menino-que-gritava-lobo/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/01/25/minhas-postagens-no-facebook-i/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/01/25/minhas-postagens-no-facebook-ii/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/01/25/minhas-postagens-no-facebook-iii/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/01/25/meus-escritos-no-facebook-iv/

https://val51mabar.wordpress.com/2015/02/14/uma-volta-ao-mundo-em-4-ou-3-atos-politica-internacional-do-momento/

7. IN INGLISH

https://val51mabar.wordpress.com/2010/06/02/the-nonsense-law/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/08/21/13-stars-woman/

https://val51mabar.wordpress.com/2011/10/05/the-suicidal-americaa-america-suicida/

https://val51mabar.wordpress.com/2010/08/25/100-reasons-to-amnesty-the-undocumented-workers-in-united-states/

https://val51mabar.wordpress.com/2009/09/25/about-the-third-and-last-testament/

https://val51mabar.wordpress.com/2009/09/12/the-third-and-last-testament/

8. IMIGRACAO

https://val51mabar.wordpress.com/2010/06/17/imigracao-sem-lenco-e-sem-documento-o-barril-transbordante-de-injusticas/.

 

500 ANOS DE HISTORIA E GENEALOGIA DA PRESENCA BARBALHO NO BRASIL

 

Tenho planejado escrever uma grande obra a respeito da heranca genealogica portuguesa atraves do ponto de vista da minha propria genealogia. A Familia Barbalho entraria mais como referencia que propriamente como assunto unico.

Baseando-se por minha genealogia, a logica (nenhuma) em o sobrenome aparecer em minha assinatura nao explica nossa Historia. Da mesma forma que assino Barbalho, poderia ter outros sobrenomes tais como: Andrade, Monteiro, Bezerra, Tavares, Guardes, Mendonça, Furtado, Carneiro, Bravo, Gomes, Costa, Ramires, Pimenta, Carvalho, Moniz, sobretudo Coelho e, claro, uma infinidade de outros, conhecidos e desconhecidos. O fato foi que meus ancestrais “escolheram” e assim ficou.

Pela lógica que deveria ser seguida, segundo as tradicoes, ate onde sabemos deveriamos ter o apelido de Aguiar, pois, esse foi o apelido que usou o nosso heptavo Manoel de Aguiar, que foi marido da heptavo Maria da Costa Barbalho. No entanto, nossa linhagem masculina seguiu o lado feminino e nao o masculino como ensejava as mais “perfeitas” tradições machocentricas do seculo XVII.

Sao 16 geracoes assinando o apelido Barbalho. Mesmo quebrando a linhagem masculina em tres oportunidades. Sao 500 anos de Historia de Familia e do Brasil, com importantes extensões nas Historias de Portugal e Geral.

Sao elas representadas pelas pessoas: Braz foi o pai de Camila, a mae de Luiz, o pai de Jeronimo, o pai de Paschoa, a mae de Maria, a mae de Manoel, o pai de Jose, o pai de Francisco Marcal, o pai de Marcal, o pai de Trajano, o pai do dr. Odon. Esse foi meu pai e avo de meus filhos.

Os motivos para escrever sao diversos. Entre os quais, trata-se de uma das primeiras familias que foram colonizar o Brasil. Foi para la na pessoa de Braz Barbalho Feyo, junto com o donatário da Capitania de Pernambuco, Duarte Coelho.

Desde o inicio observa-se a formacao da familia atraves da uniao com diversos outros sobrenomes. Portanto, implica ai o que realmente uma família eh, embora erroneamente nos acostumamos a chamar família os apelidos separados, a verdade eh que familia eh a soma de todos os apelidos.

Outra razao importante eh estarmos nos aproximando de comemorações centenárias de diversos fatos que contribuiram para a Historia e Genealogia no Brasil. Ha que salientar-se aqui que se dará o V século do inicio da colonização oficial portuguesa no Brasil a partir de 2032.

Data que marca a fundacao da Villa de Sao Vicente, atualmente no Estado de Sao Paulo, pelo primeiro Governador Geral da nação, Martim Afonso de Sousa, o qual nos eh ancestral e, senão de todos, da maioria das famílias mais antigas brasileiras do Centro-Sul.

No passar das próximas décadas também teremos comemorações pelos centenários de diversas cidades brasileiras importantes. Esses serão os quintocentenarios de Olinda, Salvador, Rio de Janeiro, Niterói, Vitoria, Sao Cristóvão e outras.

Antes de 2032, em 2020, dar-se-a o inicio do capitulo da Historia conhecido como Invasões Holandesas. Essa data marca a tentativa falha da invasao da Bahia em 1620.

Em 2030 se darao os 400 anos de invasao da Capitania de Pernambuco. Onde realmente se inicia esse capitulo da Historia.

E nesse capitulo temos a participacao de todas as familias ja residentes no Brasil. Destaca-se, porem, a Familia Barbalho na pessoa de sua figura mais elevada que foi o governador Luiz Barbalho Bezerra, neto de Braz Barbalho Feyo. Ele, seus irmaos, filhos, sobrinhos e diversos associados dedicaram suas vidas ao combate ao invasor.

Luiz Barbalho foi o comandante de uma famosa retirada estrategica que vai do Rio Grande do Norte ate `a Bahia, `a testa de 1.000 comandados, em sertoes desconhecidos e sob a dominacao de inimigos. Ao chegar `a Bahia, reforça as defesas da Cidade de Sao Salvador, onde ajuda a repelir outra tentativa de invasao holandesa derrotando a esquadra do principe Mauricio de Nassau.

Nassau, entao, eh chamado de volta `a Europa e o dominio holandes comeca a perder o apoio que tinha, abrindo as portas para as batalhas da Guerra dos Guararapes que, enfim, 24 anos apos ao inicio das invasões, liberta do domínio.

Autores renomados apontam essa data como sendo o inicio do surgimento do nativismo brasileiro que mais tarde leva ao nacionalismo e `a Independencia do Brasil e emancipação de Portugal (1822).

Simultaneamente `a expulsão dos holandeses, em 1640, se da a Guerra da Restauracao. Na qual se destaca tambem o filho de Luiz, Agostinho Barbalho Bezerra. Esse luta contra os piratas que infestavam as costas brasileiras, e contra os espanhois nos Acores e na Praça de Elvas.

Agostinho retorna ao Brasil em 1644, em razao do falecimento do pai que entao havia sido nomeado governador do Brasil do Sul e falecido no cargo, em 1644, com sede administrativa na Cidade do Rio de Janeiro.

Ao final de 1660 e inicio de 1661 da-se o capitulo da Historia do Rio de Janeiro conhecido como “A Revolta da Cachaca”. Esta eh chefiada a partir da Ponta do Bravo, onde se localizava a fazenda de Jeronimo Barbalho Bezerra, irmao do Agostinho. A revolta se deu contra os desmandos do governador Salvador Correia de Sa e Benevides.

Os revoltosos indicaram Agostinho para substituir o governador mas logo depois desconfiaram que estivesse servindo aos interesses do governador deposto.

Jeronimo assume o lugar. Logo sera deposto pelas forcas de Sa e Benevides. Foi enforcado, esquartejado e seus membros foram espalhados pelas praças para manter a populacao sob terror e quieta.

Apos julgamento e absolvição dos revoltosos, Sa e Benevides foi condenado pelo crime de executar um heroi de guerra. Alem de outras impropriedades que os revoltosos o acusavam.

Absolvido, Agostinho foi agraciado com o cargo de “Cacador das Esmeraldas” e com a Capitania Hereditaria da Ilha de Santa Catarina. Faleceu por volta de 1667 apos contrair uma doenca palustre oriunda do Vale do Rio Doce, onde fazia expedicao exploratoria. Por nao assumir a Capitania a concessao se esgotou. E o cargo de “Cacador das Esmeraldas” foi passado para o grande bandeirante Fernao Dias Paes.

A familia Barbalho, entao radicada em Pernambuco, distribui-se pelos estados da Bahia, Pernambuco, Paraiba, Sergipe e Rio de Janeiro. Desses ira passar a outros tais como Minas Gerais, a partir do inicio do Ciclo do Ouro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. E os membros da familia continuaram fazendo parte da governanca do Brasil durante os periodos que se seguem.

Atualmente o sobrenome Barbalho eh um dos mais difundidos no Brasil, embora, pareca que a maioria absoluta se concentre ainda no Nordeste do pais. Mas a verdade eh que o sangue esta embutido em quase todas as familias brasileiras por causa da passagem de geracoes e da eliminacao do sobrenome.

Muitos vultos da Historia passada e personalidades da atualidade tem o sobrenome entre seus ancestrais. E penso que seria interessante que, atraves de um exemplo, as pessoas pudessem enxergar a verdade genealogica de seus proprios apelidos.

Erroneamente, principalmente no caso dos brasileiros, deu-se ênfase aos estudos genealogicos no passado a apelidos a partir de algum recem-chegado europeu. Isso, quando chegaram apos, talvez, seculos de inicio da colonizacao. Porem, para que se multiplicasse houve a necessidade do entrelace com familias ja constituidas e comumente chamadas de “nobres da terra”.

Um exemplo claro desse fato foi a Familia Coelho do Centro-Nordeste de Minas Gerais. Por ter tido como multiplicador da presenca do sobrenome, o portugues Jose Coelho de Magalhaes, mais provavelmente o pai dele que possivelmente sera outro portugues, Manuel Rodrigues Coelho, foi considerado pelos membros mais antigos da familia como a raiz mais importante, a partir do qual as lembranças e estudos se deram.

Mas dando-se prosseguimento `a genealogia de seus filhos, estamos próximos de desvendar que por via materna eram Rodrigues, Magalhaes, Barbalho, Rocha e Nicatisi. Ha apenas que encontrar-se os vinculos e determinar em qual altura da linhagem acima mencionada se encaixa também o ramo Barbalho.

Os “nobres da terra” na verdade, foram os descendentes da alta nobreza mais antiga. Possuiam os mesmos ancestrais que deram carater `a alta nobreza em suas epocas.

A diferenca se dava a partir de que os ancestrais mais proximos dos senhores de alta nobreza haviam continuado ocupando cargos chaves na administração na metropole. E por nao existirem cargos para que todos os descendentes os ocupassem, os destituidos dos privilegios de nobreza passaram para a classificacao de baixa nobreza.

Mas isso foi esquecido. E atualmente somos todos da mesma procedência, uma mesma família com diversos apelidos, que nos diferenciam apenas no exterior.

Torna-se claro, porem, que para o meu plano concretizar-se, ou seja, escrever o livro antes das datas que se aproximam rapidamente, precisaria dedicar-me em tempo integral ao projeto.

Infelizmente, nao tenho fundos financeiros para desenvolve-lo. Ficaria dependente da oferta por parte de patrocinadores que mantivessem um salario para ajudar no sustento de meus filhos, o meu proprio e buscas no Brasil.

O projeto abrangeria principalmente a localização dos vinculos entre diversos assinantes do sobrenome que chegam a Minas Gerais `a epoca do Ciclo do Ouro. Eles se instalam principalmente em torno das antigas capitais: Mariana e Ouro Preto.

Mas a descendencia desaparece das anotações, penso eu, por terem se mudado para a região mais ao Norte, dominio da antiga Villa do Principe, atual Serro.

Um tempo atras, a Igreja dos Santos dos Ultimos Dias, tambem conhecida como Mormon, deu-se ao trabalho de fotografar documentos antigos de todo o mundo. A ela foi dado acesso a diversos arquivos no Estado de Minas Gerais. A documentação copiada esta reunida no site denominado FamilySearch.

Mas por causa do pensamento ultra-conservador, o entao bispo da Arquidiocese de Diamantina, D. Geraldo Proenca Sigaud, proibiu que o trabalho fosse feito em seus dominios porque o estava sendo feito por outra religiao.

Infelizmente, no Brasil nao se agiu ainda como Portugal onde os Arquivos Distritais reunem a documentacao antiga de grandes areas demarcadas. Os arquivos em Minas Gerais, quando existem, sao localizados. No caso dos documentos eclesiásticos, a regiao dominada pela Diocese de Diamantina era imensa. Mais extensa que Portugal inteiro.

Com essa negativa, D. Sigaud nos negou o privilegio de fazer nossas pesquisas em nossos próprios lares. E tornou dificultoso o trabalho para todos, pois, desde o periodo colonial nossos familiares procedem de outras partes do Estado (Distrito) ou de Portugal e sua descendencia desaparece no antigo territorio da Diocese.

Uma parte reaparece quando retorna a residir em areas que os arquivos estao expostos. Mas como as familias moviam em todas as direcoes do compasso a cada geracao, somente o trabalho de campo pode revelar-lhes os segredos.

Outra parte do projeto seria justamente a aquisição e estudo das muitas obras genealogicas ja existentes. Isso para determinar os vinculos que ja existiram no passado com o apelido Barbalho. No projeto, os livros seriam indicados a partir de que se encontrem em raizes comuns, para facilitar as pesquisas de futuros estudiosos.

Acredito que seria possivel enveredarmos na genealogia de todo o Brasil e, atualmente, do mundo, atraves desse metodo. Isso porque a populacao colonial a principio se manteve nas costas brasileiras. Durante o Ciclo do Ouro mudou-se para Minas Gerais, chegando o Estado a possuir 20% do total da populacao brasileira em seu primeiro censo populacional, em 1872.

A partir de entao, a descendencia da antiga populacao de Minas Gerais ajudou a povoar todo o pais.

Atualmente o Ministerio do Exterior brasileiro divulga que existem 1.2 milhoes de brasileiros residindo nos Estados Unidos. O numero que devera estar residindo em Portugal e no restante da Europa deve ser superior.

Em boa parte, essa populacao imigrante tem como base genealogica justamente a regiao da Cidade de Governador Valadares, Minas Gerais. Na verdade, sao imigrantes intermediarios, pois, nasceram em grande parte em outros municipios da regiao do Centro-Nordeste de Minas Gerais, mudaram-se para Governador Valadares e de la partiram para o mundo. Quando nao sairam diretamente dos outros municipios da regiao.

Portanto, o estudo da genealogia ao qual proponho ja tera uma clientela de interesse no futuro, quando a descendencia dessa populacao permanecer nos paises para os quais migrou e a descendência desejar relembrar seus ancestrais. A exemplo de nos brasileiros atualmente buscarmos em Portugal a fonte de nossas raizes.

Nos custos do patrocinio de tal pesquisa ha que considerar-se tambem a parte que cabera `a publicacao. Mas planejo abrir espacos comerciais onde muitos dos atuais descendentes da família tem projecao empresarial, portanto, a publicação de suas propagandas revelaria a alma no negocio.

Penso que uma obra dessa natureza tornar-se-ia marcante e com provável sucesso garantido, pois, ela falaria com intimidade `as pessoas, das pessoas e para as pessoas.

O interesse devera ser desperto a principio nas pessoas que ja sao parte da descendencia mas a cada nova geracao essa descendencia casar-se com membros da propria familia ou com de outras familias, dando-se a junção e multiplicação.

Caso nao encontre o patrocinio desejado, continuarei o que venho fazendo mesmo sem os recursos. Embora isso vira a resultar em nao conseguir realizar todo o projeto e muito menos a tempo de fazermos as comemoracoes planejadas, transferindo-as para o proximo seculo quando, talvez, nossos descendentes se interessarem mais pelo assunto.

Gostaria de lancar a ideia aqui de as pessoas que buscam suas genealogias e encontrarem vinculos com a familia deixarem registrados tais vinculos que posteriormente poderao ser incluidos na obra.

Tambem gostaria do alerta dos amigos para obras ja publicadas ou por ser publicadas que contenham tais vinculos.

Para facilitar aos que estao procurando pelo sobrenome Barbalho, sugiro que busquem na internet:

01. http://objdigital.bn.br/acervo_digital/anais/anais_047_1925.pdf

Contem o “Nobiliarchia Pernambucana”, de Borges da Fonseca. O titulo “Barbalhos” esta na pagina 139. Esse da apenas um inicio pequeno aos primeiros Barbalho no Brasil. `A pagina 35, temos os “Bezerra Felpa de Barbuda” cujo conteúdo eh mais abrangente. Mostra-se ali como formou-se a assinatura “Barbalho Bezerra”, que tornar-se-a a fonte do Barbalho do Centro-Sul do Brasil `a epoca colonial.

A partir da pagina 382 apresentam-se alguns “Appendix”. O segundo, a partir da pagina 384, temos uma quase repeticao do “Titulo dos Barbalho” com acréscimos muito interessantes. De grande interesse se encontra a descendencia que recebeu o sobrenome “Barbalho Uchoa” que mais tarde figurara durante o Imperio Brasileiro.

Existem discrepancias na obra de Borges da Fonseca. Ele afirma que o Jeronimo Barbalho Bezerra que foi “degolado” no Rio de Janeiro era filho do Filippe Barbalho Bezerra, irmao do governador Luiz Barbalho Bezerra. Mas nas obras do Rio de Janeiro consta que fosse filho do proprio Luiz.

Outro detalhe foi o dizer que Antonio Barbalho Bezerra seria filho do Filippe em contraste aos dados do Rio de Janeiro. Haviam dois com o mesmo nome. Mas apenas um deles foi o segundo senhor do “Morgado de Sao Salvador do Mundo”, da Paraiba. Pelas obras nao pude definir com absoluta certeza qual sera.

Borges da Fonseca afirma que Luiz Barbalho Bezerra e dona Maria Furtado de Mendonca foram pais de 10 filhos. Mas ate o momento encontrei apenas 9. Existe uma Celia Carreiro mencionada por alguns como filha dele, mas não tive confirmação.

02. Revista Trimestral do Instituto Historico e Geographico Brazileiro”, 1889.

Essa revista pode ser encontrada no site “Google Livros”. Sao dois volumes na publicacao.

No primeiro, `a pagina 310, temos o titulo “Barbalhos”. Essa conta parte da Historia da familia, sobretudo refere-se `a presenca do governador Luiz Barbalho e seus familiares na Bahia.

A partir da pagina 308 ha o titulo “Negreiros de Sergipe do Conde” onde se descreve as descendencias de dona Cosma Barbalho Bezerra e Guilherme Barbalho Bezerra, filhos do Luiz Barbalho e Maria Furtado, que se casaram nessa familia.

`A pagina 313 descreve-se o titulo “Ferreiras e Souzas” onde a filha Antonia Barbalho Bezerra se casa com Antonio Pereira (Ferreira) de Souza ( pag. 314). Deles foi filha dona Ignez Thereza Barbalho Bezerra, que se casara com o cel. Egas Moniz Barreto, e deles descendera diversas casas de nobreza do Imperio Brasileiro.

03. http://www.historia.uff.br/stricto/teses/Dissert-2003_CAETANO_Antonio_Filipe_Pereira-S.pdf

Interessante obra do professor Antonio Filipe Pereira Caetano a respeito da Revolta da Cachaca. Boa obra para diversificar nosso conhecimento.

De interesse genealogico temos o capitulo: “Os Honoratiores Goncalenses, A Familia Barbalho”, a partir da pagina 187.

Ali temos a descricao da familia do governador Luiz Barbalho Bezerra. Como na obra baiana fala-se em 6 filhos do casal. Porem, 3 sao diferentes em cada uma. A soma dos que sobram resulta em 9.

Os estudos do professor Antonio Filipe baseiam-se na obra de Rheingantz. Possivelmente deve conter apenas parte da familia que residiu no Rio de Janeiro, omitindo a existencia de 3 dos filhos que foram: Antonia, Cosma e Fernão.

Mas também esclarece outra disputa ja que o nome do pai do governador Luiz tem outras versões como: Antonio, em Borges da Fonseca; Fernão em outros e, atualmente, o mais aceito, Guilherme Bezerra Felpa de Barbuda.

O que deve estar mais correto ja que os nomes dos filhos parece obedecer a homenagem aos ancestrais e o primeiro filho chamava-se Guilherme. Natural que fosse o nome do avo.

04. Pode-se encontrar também na internet diversas ligações com o nosso tronco familiar. Entre eles pode-se citar:

a. http://mitoblogos.blogspot.com/2010/08/genealogia-520-um-ramo-barbalho-bezerra.html

Esse ramo vai do Rio de Janeiro a Jose Bezerra Barbalho. Pode-se acompanhar também a descendência dele via:

b. https://www.wikitree.com/wiki/Bezerra-16

Observa-se que ele foi pai de dona Maria Nicolacia da Conceição Bezerra que foi, via casamento, baronesa de Cacequi.

O marido, Frederico Augusto de Mesquita, Barao de Cacequi, foi heroi da Guerra do Paraguai junto com filhos: Marechal, Carlos Frederico de Mesquita, ten.cel. Joao Frederico de Mesquita e cap. Eurico Augusto de Mesquita. Os filhos desempenharam papel importante na Proclamação da Republica.

Diversos outros sites oferecem janelas para a genealogia da Familia Barbalho e suas agregadas.

Ha um site mineiro onde constam meus parentes próximos:

c. http://www.geneaminas.com.br

Ai nesse site ha possivelmente algo profundo a ser corrigido. Todos os genealogistas cometem enganos. E o professor Dermeval Jose Pimenta nao foi exceção. Boa parte dos dados da Familia Pimenta/Vaz Barbalho procede do livro dele: “A MATA DO PECANHA, SUA HISTORIA E SUA GENTE”.

E `a altura dos heptavos (da minha geração) Manoel Vaz Barbalho e Josepha Pimenta de Souza ele identificou como pai dela a Belchior Pimenta de Carvalho, o que parece estar correto. Mas podera ter se enganado quanto `a identificacao dos avos: Belchior Pimenta de Carvalho e Maria de Andrade.

Segundo o confrade Lenio Richa, ele teria sido filho de Joao Pimenta de Carvalho e Maria Machado.

Na verdade, as duas linhagens encontrar-se-ao em ancestrais comuns, procedentes de Portugal, que foram: Gonçalo Pimenta de Carvalho e Maria Jacome de Mello.
Eles foram pais tanto do capitao Manoel quanto do capitao-mor Joao Pimenta de Carvalho. O que muda serao as linhagens dos conjuges das descendencias deles.

Ainda estou tentando identificar qual das duas linhagens sera a correta. Ambos casar-se-ao com descendentes dos reis portugueses. O que eles proprios ja deveriam ser. A diferenca sera apenas os caminhos pelos quais passam essas descendencias que nao as deles.

Tambem suponho que Gonçalo Pimenta de Carvalho tenha sido descendentes de D. Gonçalo Pimenta Telles de Avelar. O ultimo mestre da Ordem do Hospital independente. Apos ele o cargo passou a ser automaticamente passado a membros da familia real portuguesa.

Meu blog também esta disponível com uma gama boa de detalhes do ponto onde ja se encontram as pesquisas:

d. https://val51mabar.wordpress.com/

e. http://engenhosdepernambuco.blogspot.com/p/engenhos-com-letra.html

Apenas por curiosidade, pode-se explorar um pouco de genealogia atraves desse site. Ai temos os engenhos de Pernambuco e seus senhores. Estao expostos em diversas paginas e organizados por ordem alfabetica.

E na letra B temos o Barbalho/Cabo de Santo Agostinho. Onde se fala que pertenceu a Braz Barbalho Feyo (Fero).

Na letra M temos o Monteiro ou Sao Pantaleão. Ha fontes dizendo que foi fundado por Pantaleão Monteiro, que foi pai de Maria Araujo. Ela foi a esposa de Antonio Bezerra Felpa de Barbuda, que foi o pai do Guilherme Bezerra Felpa de Barbuda, marido de Camila Barbalho e foram os pais de governador Luiz Barbalho Bezerra.

Na letra S encontra-se o Sao Paulo da Varzea do Capibaribe. Ali no site afirma que pertenceu a Braz Barbalho Feyo tambem. Mas um de seus senhores foi o governador Luiz Barbalho Bezerra.

f. http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=188&cat=Ensaios

Nessa postagem encontramos os antepassados do compositor Chico Buarque de Holanda e, entre eles, os que tambem sao nossos. Se comecar-se a verificar a partir da 13a. geracao, numeros 19.386 a 19.391, podemos identificar nomes mencionados acima.

g. https://familysearch.org/photos/artifacts/9868721

Mais uma curiosidade. Aqui temos em particular alguns descendentes do Jeronimo Moniz Barreto, cujo bisneto Egas Moniz Barreto de Menezes casou-se com dona Ines Tereza Barbalho Bezerra. Como ja dissemos, ela foi filha de dona Antonia e Antonio Ferreira de Souza, ela, filha do governador Luiz Barbalho e sua esposa Maria Furtado.

h. http://www.genealogiabrasileira.com/titulos_perdidos/cantagalo_ptregos.htm

Nessa pagina, a partir do terco inferior, encontramos um pouco da descendencia de dona Madalena de Campos que foi esposa do Jose da Costa Barbalho, irmão de nossa ancestral Maria da Costa Barbalho.

O confrade Lenio Richa acrescentou ao final da pagina alguns dados vitais dos filhos de nossos ancestrais, Luiz Barbalho e Maria Furtado.

i. https://www.scribd.com/doc/45971157/Sinopse-dos-Inventarios-e-Testamentos-de-Porto-Alegre-RS-1776-1852

Esse endereço contem resumos genealógicos tirados dos Inventários e Testamentos de Porto Alegre entre os anos de 1776 a 1852.

`A pagina 12 mostra-se alguns dados da família do cirurgião-mor Polycarpo Jose Barbalho. `A pagina 33 encontra-se os dados post mortem da dona Bernarda Maria de Azevedo, que foi a viuva dele.

Nem todos os dados estão nas duas paginas.

No site Family Search encontram-se os batismos dos filhos: Umbelino, Anna, Possidônio, Julio, Candida, Eugenia e Manoel, por ordem de nascimentos. Alem disso tem o registro de casamento da Josepha e Jose Peixoto de Miranda.

Relaciono também aqui alguns nomes de famosos que fizeram parte da Família Barbalho.

01. senhor de engenho, Braz Barbalho Feyo
02. governador, Luiz Barbalho Bezerra
03. governador, Agostinho Barbalho Bezerra
04. governador, Jeronymo Barbalho Bezerra
05. Barão, Luis Barbalho Muniz Fiúza Barreto de Meneses
06. Capitão-mor, alferes Gonçalo da Costa Barbalho
07. Inconfidente, Jose Joaquim Maia e Barbalho
08. Barao de Itapororoca, Jose Joaquim Moniz Barreto de Aragao de Sousa e Menezes
09. Barao de Paraguassu, Salvador Moniz Barreto de Aragao de Sousa e Menezes
10. 2a. Baronesa de Rio de Contas, Maria Amalia Ferrao Moniz Barreto Aragao
11. Baronesa de Matuim, Emilia Augusta Ferrao Moniz de Aragao
12. Baronesa de Alenquer, Francisca de Assis Viana Moniz Bandeira
13. 3o. Barao de Sao Francisco, Antonio Araujo de Aragao Bulcao.
14. cirurgião-mor da Vila de Porto Alegre, Polycarpo Joseph Barbalho
15. capitão, Jose Vaz Barbalho
16. padre, Policarpo Jose Barbalho
17. capitão-cirurgiao, Modesto Jose Barbalho Junior
18. juiz de paz em Sabinopolis, Jose Vaz Barbalho
19. juiz de paz em Pecanha, Cirino Jose Barbalho
20. capitão, Francisco Marçal Barbalho

Outros nao assinam mas são igualmente Barbalho. Exemplos significantes são:

01. compositor, Francisco (Chico) Buarque de Holanda
02. presidente, Juscelino de Oliveira Kubitschek
03. Juiz e deputado, dr. Antonio Rodrigues Coelho Junior (dr. Coelho)
04. Ministro do Trabalho, dr. Alírio de Sales Coelho
05. Bispo, D. Manoel Nunes Coelho
06. Genealogista, Dr. Nelson Coelho de Senna
07. Genealogista, Dr. Dermeval Jose Pimenta
08. compositor, Fernando Brant
09. fundador do Hospital Sao Lucas, Dr. Rui Pimenta Filho
10. Reitor da UEMG, professor Aluisio Pimenta
11. jornalista, Francisco Coelho Sobrinho
12. Baronesa de Cacequi, Maria Nicolacia da Conceição Bezerra
13. pioneiro, Sinval Rodrigues Coelho
14. pioneiro, Gil de Magalhães Pacheco
15. pioneiro, Odilon de Magalhães Barbalho
16. dona Yolanda Consuelo de Senna, esposa do dr. Marcelo Silviano Brandao

Atuais membros da familia Barbalho que assinam ou não:

01. escritora, Paula Pimenta
02. presidente do Cruzeiro Esporte Clube, duas vezes campeão brasileiro, Dr. Gilvan de Pinho Tavares
03. jogador, Leandro Almeida (com passe preso ao Palmeiras, campeão de 2016)
04. Roberto Brant, ministro da Previdencia Social na administracao FHC.
05. deputado federal, Jose Bonifácio Barroso Mourão.
06. empresario, Alexandre Cafe Birman
07. modelo, Camila Figueiredo Coelho
08. atriz, Marcela Pereira Coelho
09. ator, Lucio Mauro Barbalho (e filho)
10. governador, Jader Barbalho
11. Dr. Carlucio Rodrigues Campos Coelho, advogado do trabalho
12. Dr. Bernardo Lemos Ferreira, pesquisador da Harvard
13. Dr. Virgilio Jose Coelho, pesquisador da UFMG
14. Dr. Demostenes Jose Coelho, professor da Universidade de Diamantina
15. Dra. Maria Silvia Nunes Coelho, doutora em periodontia
16. Dr. Matosinhos de Souza Figueiredo, professor da UFV, MG
17. Dr. Odon Jose de Magalhaes Barbalho, BC
18. atleta olimpico, Raul Bernardo Nelson de Senna Neto
19. musico, Taique Coelho
20. Juiz de direito, dr. Jose Geraldo Braga
21. jornalista, Carlos de Magalhaes Barbalho
22. jornalista e genealogista, Ormuz Barbalho Simonetti
23. Theodoro Hungria da Silva Machado, marido da princesa do Brasil, D. Maria Gabriela de Orleans e Braganca
24. Sylvia Amelia Hungria da Silva Machado, esposa do principe de Orleans e Braganca, D. Afonso Duarte.
25. ativista da paz, Joaquim Candido da Silva
26. ativista social, Anibal Rodrigues Coelho
27. modelo, Victoria Dreesmann

28. empresario das Confeccoes Babita, Laureano Fernandes Soalheiro

29. cineasta, Flavia Barbalho Paulino

30. cineasta professor na UFMG, Savio Leite

31. atriz, Ohana Marra (participou do concurso para dancarina para o programa Domingao do Faustao, em 2015/16)

Encerro essa lista por aqui porque quanto mais nomes acrescento menos justa ela me parece ser com tantos outros que sei fazer parte. Enfim, a lista tem o objetivo único de despertar o interesse de alguns curiosos. Em meu caso, todos que participam me são igualmente caros.

Ha outros pontos interessantes a apontar em relação `a genealogia. Um deles eh o fato de os sobrenomes de família fazerem parte de heranças genéticas.

Uma bem interessante vem ja do inicio de nossa linhagem. Braz Barbalho Feyo foi marido de Maria Tavares de Guardes. Ela filha dos nobres Francisco Carvalho de Andrade e dona Maria Tavares de Guardes.

Maria, a filha, teve por irma `a dona Ines Tavares de Guardes que foi a esposa de Joao Velho Paes Barreto, o instituidor do Morgado do Cabo, em Pernambuco. Foi um dos homens mais ricos da Capitania e do Imperio Portugues.

Portanto, nos nos encontramos na mesma ascendência dos Carvalho de Andrade e Tavares de Guardes. Quem descender dessa linhagem tera obrigatoriamente pelo menos esse vinculo genético conosco. Mas como o espaço de tempo entre nos eh relativamente longo, espera-se que haverão outros vínculos alem desse.

Isso quer dizer que devemos descender mais de uma vez dos mesmos ancestrais, alem de descender de outros ancestrais que serão comuns a outras pessoas atuais.

Um outro exemplo nessa linha de pensamento vem de dona Isabel Pedrosa. Ela foi a esposa do Jeronymo Barbalho Bezerra, os nossos nonavos. Isabel foi filha de Joao do Couto Carnide e Cordula Gomes.

Cordula Gomes foi filha dos cristãos-novos Miguel Gomes Bravo e Isabel Pedrosa de Gouveia, a poderosa (foi chamada assim por ter falecido centenária, idade semelhante a que a neta também atingiu).

Interessante aqui esta no fato de o casal ter sido pais também de dona Antonia Pedroso de Gouveia, que foi esposa de Belchior de Azeredo, um dos filhos de Marcos de Azeredo, um importante bandeirante da era colonial brasileira. Vide a pagina:

http://www.genealogiabrasileira.com/titulos_perdidos/cantagalo_ptazercout.htm

Dele descendem os Azeredo Coutinho que desempenharão importante papel no Rio de Janeiro e outros destinos brasileiros.

Sendo esses dois exemplos ja tao significantes, imagine-se outros milhares que se dao nas raízes de todas as famílias brasileiras quinhentonas.

No proximo endereço abaixo, basta ir ao ultimo parágrafo da quinta pagina deste trabalho. Ali ira verificar-se que o nome do ancestral Miguel Gomes Bravo se encontra na lista dos ancestrais da linhagem genealógica descrita.

E na penultima pagina ha uma descrição genealógica mostrando descendentes nobiliárquicos dele. Note-se que nesse caso talvez os nobres não serão membros da Família Barbalho, porem, serão tao Gomes Bravo Pedrosa de Gouveia quanto nos que descendemos, pelo menos, do casal: Jeronymo Barbalho Bezerra e Isabel Pedrosa.

http://www.cbg.org.br/baixar/algumas_notas.pdf.

Ha, ainda, outros detalhes colaterais em todas as genealogias.

Teria ainda que pesquisar melhor, porem, sabemos que nossos familiares em Minas Gerais possuem vínculos parentais com pessoas da alta nobreza. Entre eles pode-se citar:

01. Barao do Serro. Diversos ramos da descendencia Barbalho descendem também dos Ferreira Rabello, o mesmo que aparece no sobrenome do barão Jose Joaquim Ferreira Rabello.

02. Barão de Alfie. O Andrade do barão Joaquim Carlos da Cunha Andrade também aparece na descendência dos Barbalho que habitavam o mesmo nicho ecológico, ou seja, região entre Santa Barbara, Alfie, Itabira, Ferros e outras. O barão foi tio-bisavo do poeta Carlos Drummond de Andrade.

03. Barão de Cocais. O barão Jose Feliciano Pinto Coelho da Cunha deixou uma família extra-conjugal que ao multiplicar-se misturou-se com a descendência Barbalho no Município de Virginópolis, MG, e região. Essa descendência tinha o sobrenome Furtado Leite. Hoje prevalece o Leite isolado.

04. Barão de Sao Mateus. Segundo o professor Dermeval Jose Pimenta tal cargo foi solicitado para seu tio Modesto Jose Pimenta, porem, o imperador Pedro II nao o confirmou. A familia Pimenta descende do casal Manoel Vaz Barbalho e Josepha Pimenta de Souza e a ela foi dada a preferencia do apelido materno.

05. Barão e Visconde de Itaúna. Esse foi o dr. Candido Borges Monteiro, medico particular da familia imperial brasileira, nomeado governador da Provincia de Sao Paulo, destacou-se como cirurgião e professor de medicina.

Outro que talvez nao tenha ascendência Barbalho, porem, muitos Barbalho tiveram uma relação parental próxima com ele.

Segundo a genealogista Anamaria Nunes Vieira Ferreira ela tem razoes para crer que ele foi bisneto de Caetano Borges e Joanna Monteiro. O mesmo casal foi, na Municipalidade de Seia, Distrito de Guarda, pais de Antonio Borges Monteiro (sr. Monteiro).

Vide: http://nobiliarquia.blogspot.com/2008/11/cndido-borges-monteiro.html

Esse Antonio transferiu-se para a Villa do Principe (atual Serro) deixando grande descendencia. Entre eles se encontrou o filho Antonio Junior (Borginha), que ajudou a fundar o Arraial de Sao Sebastião dos Correntes, atual Sabinopolis.

Borginha foi pai de dona Maria Balbina de Santana, que desposou Boaventura Jose Pimenta, neto materno de Manoel Vaz Barbalho e Josepha Pimenta de Souza, cuja familia foi descrita pelo professor Dermeval Jose Pimenta.

Por outra via, o sr. Monteiro enviou dois de seus filhos ainda muito jovens para serem educados no Rio de Janeiro. Foram Umbelino e Isidro Borges Monteiro, os quais deixaram grande descendência em Iguaçu e na capital.

Entre os atuais descendentes ha o Eduardo Pellew Wilson, 2o. Conde de Wilson.

Entre os irmãos do dr. Cândido Borges Monteiro, dona Ilydia Maria Candida Borges Monteiro tornou-se, via casamento, Baronesa da Lagoa.

Outras familias importantes também fazem imbrincacoes com a Família Barbalho. Entre as quais a do capitão Joaquim Alvares Barroso. Português de nascimento, casou-se no Serro por volta de 1815. Nas freguesias daquela importante villa (antiga Villa do Principe) ja se encontravam os Barbalho ha cerca de 100 anos atras.

O capitão Joaquim compartilha com outros de nossos ancestrais a primazia da fundação do Arraial de Sao Sebastião dos Correntes. Muitos da atual descendência Barroso compartilham a genética Barbalho.

Foi em homenagem a Sabino Alves Barroso que o antigo arraial veio a ser chamado pelo nome de Cidade de Sabinopolis. Sabino era neto do capitão Joaquim e foi irmão do Joao Evangelista Barroso, pai do grande compositor Ary Evangelista Barroso. Sabino Barroso foi politico importante em Minas Gerais.

Enfim, o trabalho de juntar tudo isso em apenas uma obra não seria pouco e precisaria da dedicação integral. Somente no mergulho nos arquivos que existem no Colégio Brasileiro de Genealogia, RJ, deverão ser necessários meses, senão mais de ano.

Pesquisas nos arquivos das cidades históricas de Minas Gerais seriam imprescindíveis.

Obviamente, pretendo fazer as verificações das interligações do ramo do Centro-Sul Brasileiro com o Nordeste-Norte. Para isso terei que verificar as obras de estudiosos como Antonio de Araújo de Aragão Bulcão que, pelo sobrenome, imagino haver a possibilidade de também ser Barbalho.

Precisarei consultar também ao confrade Ormuz Barbalho Simonetti a respeito dos familiares dele.

Claro, o objetivo seria levar as linhagens pelo menos ate ao inicio do século XX, pois, de então para ca as pessoas que vivem atualmente poderiam identificar seus ancestrais.

Algumas pessoas, mais leigas que eu, costumam duvidar desses meus escritos por pensar que estou querendo “puxar a sardinha para a minha brasa”, como se eu quisesse dizer que sou mais que quaisquer outras pessoas.

Refiro-me a isso apenas para alertar a esses e outros. Na verdade eh justamente em razão do contrario que gostaria de produzir essa nova obra. Não se trata de dizer que eu sou e os outros não.

O que parece magica eh apenas matemática aplicada `a genealogia. Se eu tivesse fontes suficientes para acompanhar a genealogia de meus outros ancestrais como os casais Francisco Carvalho de Andrade e Maria Tavares de Guardes; Antonio Bezerra Felpa de Barbuda e Maria de Araujo ou Pantaleão Monteiro e Brasia de Araujo acabaria apenas ampliando ainda mais o conhecimento que ja temos.

E se tomarmos outros casais da mesma época que não temos o conhecimento ser nossos ancestrais, mas o serão das pessoas que duvidam de mim, muito provavelmente eles serão ascendentes da maioria das pessoas que vivem atualmente no Brasil e de um contingente considerável daquelas que vivem no exterior.

Do que ja sabemos, retornando pouca coisa antes, aos ancestrais desses nossos ancestrais, podemos citar o rei de Portugal D. Afonso I. Ele aparece como ancestral de, pelo menos, 75% dos presidentes dos Estados Unidos. E eh ascendente de uma parte considerável da população brasileira.

O fato eh esse, matematicamente falando, quando estudamos a Historia do passado não tao remoto, estamos na verdade estudando a Historia de Nossos Ancestrais, obrigatoriamente.

E se estivermos estudando a Historia Contemporânea, estaremos estudando os feitos de descendentes de nossos ancestrais, ou seja, no mínimo, feitos de nossos primos.

O que as pessoas que duvidam precisam fazer eh apenas por mãos `a obra e testarem por si próprias, buscando dados para formarem suas próprias genealogias. Duvidar sem saber eh fácil. Fazer da mesmo trabalho, porem, o fazer tira nossas duvidas!

Aguardo respostas. Atenciosamente,

Valquirio de Magalhães Barbalho.

 

############################################################################

OS CAPITULOS ABAIXO FORAM POSTADOS ANTERIORMENTE EM OUTRA PAGINA DESSE BLOG. RESOLVI REPETI-LOS AQUI POIS DAO NOTICIAS DA CONTINUIDADE DE NOSSAS PESQUISAS. COMO OS CAPITULOS ESTAO DIRETAMENTE LIGADOS A FAMILIA BARBALHO, RESOLVI POSTA-LOS AQUI TAMBEM PARA FACILITAR AS PESQUISAS DOS QUE SE INTERESSARAM PELO TEXTO ACIMA.

 

08. DA FIDALGUIA DA FAMILIA BARBALHO

Fui contatado por uma pessoa residente na Alemanha. Ela esta procurando o rumo ancestral do antepassado dela, Gaspar de Souza Barbalho. E passou-me os dados que procura:

“Gaspar de Souza Barbalho” Ele nasceu em Pernambuco em torno de 1673;

Data da morte: 1 de Jul de 1711.

Local do obito: Quixeramobim, Ceara, Brasil que fica a menos de 100km de Mombaça.

Casado com Vitoria Leonor de Montes (e Silva)

Nascida em torno de 1674 em Penedo, Alagoas, Brasil

Filha do Coronel Joao de Montes Bocarro ou “Bucaro”.

Caso haja algum outro pesquisador com informações que possam ajudar, favor contatar. O nome da nossa nova amiga eh Perlya. Intermedio o contato. Consegui apontar para ela algumas possíveis ligações do ancestral dela com os nossos.

E adiantando o andamento desse capitulo, vou repetir aqui o endereço:

http://objdigital.bn.br/acervo_digital/anais/anais_047_1925.pdf

Trata-se de copia da obra do Borges da Fonseca, intitulada “Nobiliarchia Pernambucana”, escrita por volta de 1750 mas com acréscimos, que notei, ate por volta de 1780.

O Indice esta no rodapé da postagem. Ai temos capítulos como:

Titulo de Bezerras Felpa de Barbuda, pag. 35

Titulo de Barbalhos Silveiras, pag. 45

Titulo dos Barbalhos, pag. 139

Titulo dos Uchoas, pag. 141

Titulo dos Bezerras Barrigas, pag. 164 e, entre outros,

Appendix, pag. 384 (esse apêndice trata de descendencia do Felippe Barbalho Bezerra).

Todos tem algo interessante. E naturalmente, os Barbalho se entrelaçaram com todas as outras famílias da nobiliarquia pernambucana.

O que me falta eh disponibilidade para construir uma Arvore Genealógica a partir do livro porque isso facilitaria muito o entendimento e a procura por nomes. Mas não seria trabalho pouco. O que não me intimida. Mas também não sou relógio, embora venha atuando tal e qual!!!

Bom, para encurtar o discurso, a Perlya fez uma retribuição inestimável. Enviou-me a copia das únicas 3 paginas do capitulo “Barbalhos” da obra escrita por Cristóvão Alão de Morais, sob o titulo: “Pedatura Lusitana, Nobiliário de Familias de Portugal”.

Como ja mencionei antes, faz parte do Tomo Quarto, volume segundo. Antes que descrever mais coisas, vamos logo ao que interessa! Vou postar as 3 paginas.

Perlya enviou-me mais alguma coisa, inclusive o capitulo dos “Bezerras”, mas não se encaixa em nossa genealogia. Segue então:

“pag. 343                    BARBALHOS

  1. Fernão (A) Barbalho era natural de Entre Douro e Minho .. .. .. e teve:

2. Antonio Barbalho

2. Luis Barbalho

2. Alvaro Barbalho

2. Antonio Barbalho filho 1o. este viveo no Porto aonde foi cidadão. Casou com ……… e teve:

3. Antonio Barbalho

3. D. Guiomar …………………….. m.er de Ignacio Cenarche de Noronha co. g.

Casou 2a. vez com D. Antonia Bezerra, ou Monteira, filha de Domingos Bezerra … … … e houve:

3. Luis Barbalho Bezerra

3. Felippe Barbalho Bezerra

3. Antonio Barbalho filho 1o. deste video no Brazil … … …

3. Luis Barbalho Bezerra filho 2o. de Anto. Barbalho E o 1o. de

*******************************

(A) Os f.os deste Fernão Barbalho erao primos de M.el Fran.co Barbalho e tiverao Capella em S. Fran.co do Porto. E o dito M.el Fran.co Barbalho foi pai de Clara Barbalho m.er de G.ar de Carvalho e forao pais de Jo. Lopes Barbalho fidalgo da casa delRei e Com.or de Sanfins de Nespereira e Mestre de Campo no Alentejo.

*******************************

Pag. 354

sua 2a. mulher n.2 foi insigne Soldado nas armas do Brazil: foi fidalgo da Casa delRei E com.or dos casaes na ordem de Christo. E Governador do Rio de Janeiro onde morreo.

Casou com D. Maria Furtado de M.ça  filha de Fernand’Ayres Furtado E de sua m.er Cecilia Carreira E houve:

4. Guilherme Barbalho Bezerra

4. Agostinho Barbalho Bezerra

4. Fernão Barbalho

4. Fran.co Monteiro Barbalho

4. Cosma Bezerra m.er de Fran.co de Negreiros Soeiro Sr. de hu engenho no Brazil

4. D. Antonia Bezerra m.er de Antonio Pereira de Sousa fo. de Eusebio Frra. Dromondo E de Cn.a de Sousa sua m.er.

4. D. Cecilia .. … .. m.er de Anto. Barbosa Calheiros fo. de Io. Barbosa Calheiros em Vianna

4. D. Fran.ca Furtada

4. Guilherme Barbalho Bezerra filho 1o. deste he Alcaide-mor de Serzipe delRei e tem a Comenda de seu pae. Casou com D. Anna Pereira fa. de D.os de Negreiros Soeiro Sr. de Engenho … … … e teve

5. Luis Barbalho

5. Domingos Barbalho

Pag 355

4. Ago. Barbalho Bezerra fo. 2o. de Luis Barbalho Bezerra n.3 Foi correo-mor do Brazil ……

4. Fernão Barbalho filho 3o. de Luis Barbalho Bezerra no. 3 Foi Vedor da Fazenda da India. Casou co D. Maria de Macedo m.er baixa.

4. Fran.co Monteiro Barbalho filho 4o. de Luis Barbalho Bezerra no. 3 Foi G.or da Fortaleza de S. Marcello na Bahia

3. Felippe Barbalho Bezerra filho 3o. de Antonio Barbalho no. 2 E o 2o. de sua m.er……..

2. Luis Barbalho filho 2o. de Fernão Barbalho no. 1 servio na India ……… e teve

3. D. … … … m.er de D. Luis de Sousa ou da Sylva paes delRey de Maldiva tto. de gras.

2. Alvaro Barbalho filho 3o. de Fernão Barbalho n. 1  Casou no Brazil co …. … ….”

Assim se encerram as informações. `A primeira vista pensei que fosse um horror! Isso por causa da inferência que o governador Luiz Barbalho tenha sido filho do Antonio Barbalho e de Antonia Bezerra ou Monteira.

Não teria nada contra, não fossem as muitas outras literaturas garantindo que ele foi filho do Guilherme (Antonio) Bezerra Felpa de Barbuda e de Camila Barbalho. Assim se inverte a procedência do sobrenome dele.

No entanto, quando copiei `a mão o que estava escrito pude conceber melhores ideias. Claro, ha que desculpar-se o autor Cristóvão Alão de Morais. A publicação data de 1673. E ele escreveu a respeito de toda a fidalguia portuguesa. Ou seja, no mínimo umas 500 famílias. Algumas ate com certa profundidade.

Imagine-se, então, buscar todos esses dados num amontoado de papeis, escritos por centenas de outros escrivães, cada qual com sua caligrafia. Documentos esses que ja deviam estar em processo de deterioração.

Alem disso, haviam escrivães que o eram porque não existia outro que soubesse manejar a pena, não porque fosse algum completo alfabetizado!

Um exemplo que prejudicou os trabalhos desse autor pode ser verificado via o sobrenome da sogra do governador Luiz Barbalho. Ele identificou-a com Cecilia Carreira. Na verdade, os atuais genealogistas devem ter pesquisado em maior numero de fontes com letras mais legíveis, pois, dão a ela o nome de Cecilia Carneiro de Andrade.

Certamente, não eh o nosso caso quando, apesar de buscarmos em originais vez por outra, em poucas oportunidade, temos a internet `a nossa disposição. Mesmo que ainda não esteja uma maravilha, em comparação, chega a ser quase o Céu. Exceto quando as informações que estamos procurando ainda estão em branco por essa via!

E observe-se que genealogia costuma ser tão complicado que por quaisquer distrações menores a gente costuma cometer erros crassos!

O certo eh que, após copiar, as coisas não são exatamente como pensei `a primeira vista. A publicação de Borges da Fonseca eh uma das muitas que contradizem essa versão para a origem do governador Luiz.

No entanto, a Revista do Instituto Historico e Geografico Brasileiro, vol. 52, também publica um breviário da genealogia “Barbalhos” no qual afirma que o governador Luiz foi filho de Antonio Barbalho.

Mas não aprofunda alem disso. Como a publicação eh posterior `a “Pedatura Lusitana”, o pesquisador pode ter usado-a como fonte. Mas não o menciona.

A passagem que descreve o titulo “Barbalhos” encontra-se a partir da pagina 310. `A pagina 308 inicia a descrição da família “Negreiros de Sergipe do Conde”. Ficam ai descritos os casamentos dos filhos do governador Luiz: dona Cosma com Francisco de Negreiros Sueiro e Guilherme com dona Anna de Negreiros.

Contudo nessa publicação ficou escrito que Guilherme e Anna foram pais de Domingos Barbalho Bezerra, o que corresponde ao que esta na Pedatura, e de dona Mariana Barbalho, esposa de Manoel Alves da Silva, sem geração.

Do Domingos confirma os dados e acrescenta que ficou solteiro. Nada menciona a respeito do filho Luis. Nesse caso, podemos esperar que haja em Sergipe alguma descendência desse nosso ramo familiar.

Ja `a pagina 313 inicia a descricao da Familia “Ferreiras e Souzas”. Começando por Eusebio Ferreira e seu pai, Leao Ferreira, naturais de Porto-Santo, Ilha da Madeira. Eusebio casou-se com Catarina de Souza filha de Melchior de Souza Dormondo e Micia Darmas, filha de Luiz Darmas e Catarina Jacques.

Eusebio e Catarina foram os pais do Antonio Pereira de Souza, marido da dona Antonio Barbalho Bezerra.

Nessa publicação temos que os filhos do casal Luiz Barbalho e Maria Furtado de Mendonça foram apenas 6: Agostinho, Guilherme, Fernão,  D. Antonia, D. Cosma e Francisco Monteiro.

Veja-se mais essa postagem:

http://www.historia.uff.br/stricto/teses/Dissert-2003_CAETANO_Antonio_Filipe_Pereira-S.pdf

Essa eh uma tese do professor Antonio Filipe Pereira Caetano, com o pomposo nome de:

“Entre a Sombra e o Sol – A Revolta da Cachaca, A Freguesia de Sao Gonçalo de Amarante e a Crise Politica Fluminense (Rio de Janeiro, 1640-1667)”.

O de maior importância no momento esta a partir da pagina 187, no capitulo: “Os Honoratiores Gonçalenses: a família Barbalho”. Ali também afirma-se que Luiz Barbalho e Maria Furtado houveram 6 filhos: Antonio, Guilherme, Francisco Monteiro, Cecilia, Agostinho e Jeronimo.

Fazendo a soma, observa-se que ate ai são 9. Isso porque Guilherme, Francisco Monteiro e Agostinho são repetidos em ambas as listas.

Quem abrir a publicação observara que as ascendências do casal Luiz Barbalho e Maria Furtado são declaradas. Tendo o Luiz como pais: Guilherme Bezerra Felpa de Barbuda e Camilla Barbalho. E era neto paterno de Antonio Bezerra Felpa de Barbuda.

Ja a Camilla Barbalho foi filha mesmo do Bras Barbalho Feyo e de Catarina Tavares de Guardes.

Aqui ocorre-me a possibilidade de o Brás ter usado o nome completo de Antonio Bras Barbalho Feyo. E como abreviava-se muito os nomes das pessoas para economizar tinta, e mesmo verbalmente, uns escritores podem não ter captado o Antonio e outros o Brás.

Obvio que a tese do professor Antonio Felipe não eh voltada para a genealogia. Contudo, os dados foram retirados de obras genealógicas, citadas `a pagina 187, rodapé, de genealogistas muitíssimo conhecidos como Carlos G. Rheingantz e Carlos Eduardo de Almeida Barata, o Cau Barata.

Ja `a pagina 37, da obra de Borges da Fonseca, temos esse extrato:

“3. Luiz Barbalho Bezerra, Fidalgo da Casa Real. Commendador da Ordem de Christo e Mestre de Campo de infantaria, que governou a Bahia e o Rio de Janeiro, de quem os escriptores da guerra dos Hollandezes fazem muitas vezes, digo, fazem innumeráveis vezes a mais honrada memória, e seria prolixa a nossa se a fizéssemos de tantas, tão repetidas e gloriosas acções quando basta o que deste grande soldado disse o general Francisco de Brito Freire neste grande elogio: – A quem tantas continuadas occasiões pelo decurso desta Historia, adiantaram ao insigne Mestre de Campo e deram illustre fama principalmente naquela celebre e portentosa expedição em que socorreo a Bahia, penetrando quatrocentas légoas os desertos da America. Foi casado e teve 10 filhos, dos quais o mais velho foi o Capitão Guilherme Barbalho Bezerra, mas como todos no anno de 1638 embarcaram para a Bahia onde, e no Rio de Janeiro viveram, não temos delles outras noticiais.”

Nessa ai o Borges da Fonseca falhou feio conosco! Fez aquela brincadeira: “eu sei mas não te conto.” Seria inestimável encontrar os escritos do general Francisco de Brito Freire, e outros nos quais se basearam, que nos contassem quem e quais foram os ascendentes de descentes do grande brasileiro, dito por pessoa de tempo mais próximo.

Pode ser que temos ai a primeira constatação da presença de um decimo rebento na família. Tratar-se-ia de dona “Francisca “Furtada”, mencionada apenas no Pedatura. E ai se completam os 10, anunciados via Borges da Fonseca.

Antes de iniciar essa escrita, imaginei que poderíamos ir logo colocando um fim na questão da paternidade do governador Luiz, pois, imaginei: “parece-me que os personagens Fernão Barbalho e Antonio Barbalho, primeiro e segundo mencionados no Pedatura, deverão ser pessoas mais antigas.”

Nesse caso, se encontrássemos datas que me permitissem comprovar isso, chegaríamos `a conclusão de que quem pode ter sido filho do Antonio Barbalho, não identificado pelo Cristóvão Alão de Morais, foi o (Antonio) Brás Barbalho Feyo.

A unica pista que encontrei na internet, nesse sentido, foi a Historia das Maldivas. Esta na Wikipedia, no endereço:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Maldivas

Ai se fala que o dominio português deu-se apenas entre 1558 a 1573. Ja o que se diz a respeito de Luis Barbalho, segundo filho de Fernão Barbalho, eh que foi pai da esposa de D. Luis de Sousa (ou da Sylva), os quais haviam sido pais do rei das Maldivas. Muito provavelmente, vice-rei.

Ou seja, se `aquela época tinhamos um bisneto do Fernão Barbalho naquele governo, seria praticamente impossível ao Luis Barbalho Bezerra ter sido neto do mesmo Fernão Barbalho, pois, a data do nascimento dele se deu em 1584.

Portanto, a relação de descendência e ascendência entre Fernão e Luiz Barbalho Bezerra teria mesmo que passar por outras gerações, nesse caso: o avo Brás e a mãe Camilla.

O problema também em relação aos enganos dos genealogistas muito antigos foi não terem documentos disponíveis e datados, para que calculassem primeiro, antes de fazer afirmações. Cristóvão Alão de Morais deve ter tido acesso a documentos que indicassem a procedência dos Barbalho em Pernambuco mas não atinou para esses detalhes.

Com isso nos deixou apenas pistas ótimas a seguir. Entre as quais a de agora sabermos que procedemos da antiga Província do Entre Douro e Minho, o que se repete em nosso lado Coelho.

Torna-se vital também a informação que tivemos “Capela em Sao Francisco do Porto”. Ai podemos buscar, futuramente, os dados que comprovem definitivamente esta ligação com a fidalguia via também os Barbalho. Abram a postagem:

https://www.jornaldaslajes.com.br/integra/igreja-sao-francisco-do-porto-tem-400-a-600-kg-de-ouro-mineiro/1789

Ha ai um pouco da Historia do monumento. Inclusive anuncia-se que ha túmulos que não se pode identificar os enterrados. Pode ser que entre esses existam alguns Barbalho. Somente por muita sorte deveremos encontrar em escritos de época as referencias que confirmariam a informação do Cristóvão Alão de Morais.

Pelo menos, a partir de agora os descendentes Barbalho brasileiros e pelo mundo afora tem um ponto de referencia que eh essa maravilhosa obra arquitetônica. Diga-se de passagem, nos de Minas Gerais teremos duplo motivo para visitar, ja que também poderemos admirar obras de arte tecidas com o ouro mineiro.

Se algum dia for visitar Portugal, O Porto será um de meus destinos. E, em particular, a Igreja de Sao Francisco do Porto.

Observe-se que entre as famílias identificadas com direito a sepultura no interior da Igreja encontra-se a Carneiro. O que indica a proximidade entre ela e a Barbalho. O que, possivelmente, nos da a pista para a origem do Carneiro da ancestral Cecilia.

Mais uma outra publicação interessante:

https://guerradarestauracao.wordpress.com/tag/joao-lopes-barbalho/

Ai se narra batalhas pela restauração da monarquia portuguesa. Logo no inicio ja começa aparecer o nome do “tenente de mestre de campo general Joao Lopes Barbalho”.

As referidas batalhas se deram em 1645. Mas não da para saber a relação de tempo anterior porque o texto no Pedatura apenas diz que os filhos do Fernão Barbalho eram primos do Mel. Francisco Barbalho, que era pai da Clara, a mãe do Joao L. Barbalho.

Não fica explicado primos por qual via nem o grau. Não ha como dizer quem era o mais velho ou o mais novo nessa relação parental.

A reportagem menciona nomes de outros brasileiros que lutaram juntos como: Antonio Soares da Costa, Pedro Craveiro de Campos, Felipe do Vale Caldeira, Simao de Oliveira da Gama, Alvaro Saraiva, Manuel Machado Caldeira e Domingos da Silveira. Todos com recomendação de títulos e honras por bravura. E eram veteranos da expulsão dos holandeses.

Apenas para ilustração, na tese abaixo o capitão Joao Lopes Barbalho eh mencionado, `a pagina 44, como natural de Pernambuco. Veja-se:

http://www.historia.uff.br/stricto/td/1371.pdf

Em caso disso ser verdade, ajuda a confirmar que o mais provável será que a Família Barbalho mudou-se em peso para aquele estado. O que reforça a ideia de que nosso ancestral Luiz Barbalho, alias, mencionado pelo próprio Joao Lopes Barbalho, pertencia ao mesmo ramo de família.

Mais uma postagem que engrandece o sobrenome da Familia Barbalho:

http://historiapostal.blogspot.com/2008/02/o-ofcio-de-correio-mor-de-mar-e-terra.html?m=0

Ai se relata como o Agostinho Barbalho Bezerra conseguiu o “oficio de correio-mor do Brasil”. Foi em 1662, logo após ter sido julgado e absolvido de culpa na participação dele no evento conhecido como A Revolta da Cachaça, e em consequência da qual o Jeronimo foi degolado e esquartejado.

Ao finalzinho do 12o. paragrafo da postagem acima temos:

“…. gastando nelas não so a fazenda, mas ate a mesma vida, por cuja causa ficaram seus filhos falta dela e ele Agostinho Barbalho, com o encargo de três irmãs e uma mãe que esta obrigado a amparar.”

Essa eh uma passagem que foge um pouco `a compreensão. Em primeiro lugar, ele referia-se a que o pai dele, e ele próprio, haviam empenhado todo o patrimônio que possuíam nas guerras que lutaram para defender os interesses do governo português.

Mas a menção a mãe e três irmãs sugere que houve mais uma filha na família e que ainda não consegui identificar. Isso porque D. Cecilia vivia no Rio de Janeiro, ficara viuva e reclamava pobreza. Agora sabe-se que havia a Francisca “Furtada”, que talvez fosse solteira.

Fica ai a satisfação de saber que em 1662 a ancestral Maria Furtado de Mendonça ainda vivia, tendo ela nascido por volta de 1595. Ou seja, estaria com 67 anos. O que falta eh saber qual outra irmã estava sob obrigação do Agostinho. Donas Cosma e Antonia eram casadas na Bahia e tinham filhos e filhas.

A menos que a terceira pessoa, não mencionada, fosse a ancestral Isabel Pedrosa, que se tornou viuva do Jeronimo. O filho mais velho deles, Jeronimo Barbalho, estaria ja com ou completaria 17 anos em 1662. Assim ela entraria como irmã, no lugar do falecido.

Outra possibilidade eh a de que o Jeronimo Barbalho Bezerra da Conjuração Fluminense fosse mesmo o sobrinho do governador Luiz Barbalho. Assim, a 3a. irmã seria mesmo outra pessoa e que ainda não descobrimos.

A informação de que o Fernão, filho do Luiz, foi casado também eh nova para mim. Desde que soube que ele havia ido para a India (Goa), para tornar-se Vedor da Fazenda, fiquei imaginando se não terá deixado herdeiros e por la existam alguns de nossos primos distantes.

Agora fica confirmada que essa possibilidade pode ser real. Ainda mais com a informação de que outro Luis Barbalho, mais antigo, também frequentou a India. Ha a possibilidade de por la ate existir uma Família Barbalho com alguma alteração no sobrenome, devido ao tempo e `a mudança de linguagem.

Quanto ao “mulher baixa” referente `a dona Maria de Macedo, esposa do Fernão, acredito que refira-se `a condição social dela, ou seja, de classe que não fosse de nobreza. Ou da considerada baixa nobreza.

Fica por esclarecer também se o Francisco Monteiro deixou herdeiros. Ele aposentou-se em 1704, como capitão do Forte de Sao Marcelo, também conhecido como Populo. Hoje eh uma atração turística na Baia de Sao Salvador:

https://patrimoniodesalvador.wordpress.com/2009/05/10/forte-de-sao-marcelo/

Faltaram, então, apenas dois nomes de filhos do governador Luiz Barbalho na obra do Cristóvão Alão de Morais. Seriam eles o Jeronimo e o Antonio Barbalho Bezerra. Diga-se de passagem, os dois dão alguma dor de cabeça aos genealogistas antigos.

No caso do Antonio, ha uma disputa entre o texto do Borges da Fonseca e os dados expostos por Rheingantz e levantados no Rio de Janeiro. Segundo Rheingantz, esse Antonio foi o marido da Joana Gomes da Silveira, neta de Duarte Gomes da Silveira, e tornou-se, por casamento, o segundo senhor do Morgado de Sao Salvador do Mundo da Paraíba.

Para o autor Borges da Fonseca, pag. 38, o Antonio que casou-se com a herdeira era filho do Felippe Barbalho Bezerra, irmão do governador Luiz. De qualquer forma, seja qual for, tudo fica em família.

`A mesma pagina 38, o mesmo autor declara que o Jeronymo que morreu degolado no Rio de Janeiro, em consequência da Revolta da Cachaça, era também filho do Felippe. Por azar nosso, o “Titulo de Bezerras Morgados da Pahyba” não esta incluído na publicação, do primeiro endereço postado no presente texto.

Ja `a pagina 35, Borges da Fonseca faz essa afirmação: “3 – Maria Monteiro, que casou com o seu primo Antonio Bezerra, filho de Luiz Barbalho.” Entre tantos Luizes que deviam existir `a epoca, acredito que a intenção dele foi a de identificar o governador.

Em caso de qualquer um deles estiver correto não altera grande coisa em nossa genealogia, pois, no fundo, todos ja descendiam dos mesmos ancestrais. Apenas pode acontecer de repetir mais vezes a nossa ascendência.

Em caso de descendermos do Felippe e nao do Luiz, através do Jeronimo, passaremos a ser da Silveira e Morais. Perderemos ai nosso vinculo com os Furtado de Mendonça e os Carneiro de Andrade, da avo Maria.

Mas, talvez, por outra via o nosso ramo familiar ira encontrar raiz no casal Luiz Barbalho e Maria Furtado de Mendonça, porque somos Barbalho também em nosso lado Coelho de Magalhães.

Sabe-se que dois de nossos sextavos foram: Giuseppe Nicatsi da Rocha e Maria Rodrigues de Magalhães Barbalho. Mas não sabemos ainda quem foram os ancestrais dessa avo Maria Rodrigues.

Ha algum tempo notei que o governador Luiz Barbalho deu os nomes de seus ancestrais a seus filhos. Assim são Antonia e Antonio. Francisca e Francisco. Cecilia e Guilherme. Os que faltavam seriam Cosma, Agostinho, Jeronimo e Fernão.

Agora podemos acrescentar o Fernão, pois, foi a primeira vez que vi o nome Fernand’Aires para o pai da Maria Furtado de Mendonça. Consta apenas Aires Furtado de Mendonça nas diversas literaturas que o encontrei.

Apesar do apego aos ancestrais, estranho não ter posto o nome Camilla, da própria mãe, em alguma das filhas. Nem o Brás que foi o avô materno. Isso reforça a possibilidade mesmo de ambos ter tido outros nomes alem dos quais ficaram conhecidos.

Como ja sugeri, o Brás poderia ter se chamado Antonio Brás. Ja a mãe do Luiz poderia ter chamado Francisca Camilla, ou Cosma Camilla. Ou, ainda, esses poderiam ter sido filhos que faleceram na infância, dai não existirem e não aparecerem em literaturas.

Em ultimo e caso especifico, a 3a. irmã mencionada pelo Agostinho poderá ter sido esquecida pelos genealogistas e chamar-se Camilla.

Agostinho parece ser homenagem a santo de devoção. E Jeronimo era uma situação difícil de escapar, pois, alem do santo ha também o “demônio”. Temos que nos lembrarmos do Jeronimo de Albuquerque, conhecido como o Adão de Pernambuco, por conta de sua promiscuidade e prolífica.

Alem desse Jeronimo, houveram outros descendentes com o mesmo nome que ajudaram na chefia da luta contra a Invasão Holandesa.

Enfim, não podemos negar nem acreditar em tudo que os autores antigos escreveram. Entre as falhas do Pedatura Lusitana, a obvia foi não ter sequer mencionado que Agostinho Barbalho foi casado.

A esposa dele chamava-se Brites Lemes. Filha de Joao Alvares Pereira e Izabel de Montarroyos. Mas não sei se deixou descendência. Ela era neta de um dos fundadores do Rio de Janeiro, Diogo de Montarroyos.

Para facilitar o entendimento vou postar aqui as ascendências do governador Luiz Barbalho Bezerra. A começar do sobrenome Bezerra:

  • Antonio Martins Bezerra c. c. Maria Martins Bezerra, pais de:
  • Antonio Bezerra Felpa de Barbuda c. c. (1) Maria de Araujo, pais de:
  • Guilherme Bezerra Felpa de Barbuda c. c. (2) Camilla Barbalho, pais de:
  • Luiz Barbalho Bezerra c. c. (3) Maria Furtado de Mendonça
(1) Maria de Araujo foi filha dos senhores do Engenho de Sao Pantaleão: Pantaleão Monteiro e Brasia Araujo. O engenho de açúcar fundado por eles depois foi chamado de Engenho do Monteiro.
(2) Camilla Barbalho foi filha de Brás Barbalho Feyo e Catarina Tavares de Guardes. Foi neta materna de Francisco Carvalho de Andrade e Maria Tavares de Guardes.
Brás foi senhor do Engenho do Barbalho que ficava no Cabo de Santo Agostinho e do de Sao Paulo da Várzea do Capibaribe, que havia sido fundado por seu sogro.
http://engenhosdepernambuco.blogspot.com/p/engenhos-com-letra.html
(3) Maria Furtado de Mendonça foi filha de Fernand’Aires Furtado de Mendonça e dona Cecilia Carneiro de Andrade.
Francisco e Maria foram pais também de Ines, a qual foi casada com Joao Paes Velho, que se tornou dono de diversos engenhos de açúcar naquele tempo. Era dos mais ricos de Pernambuco. Francisco foi o primeiro senhor do Engenho de Sao Paulo da Várzea do Capibaribe. Era também armeiro real por profissão.

Os Bezerra procediam, antes de entrarem em Portugal, do Reino da Galicia. Eram naturais da Provincia de Lugo, na Freguesia de Becerrea. Esta faz parte do circuito dos Caminhos de Santiago de Compostela.

Era uma familia da alta nobreza local. Descendiam do rei D. Alfonso VI, de Leao e Castela. Esse ofereceu a mao de suas filhas em casamento aos nobres europeus que o ajudassem a expulsar os mouros.

Dois primos, Raimundo e Henrique da Borgonha aceitaram o desafio. Raimundo casou-se com a filha herdeira, Urraca; e Henrique com a condessa de Portugal, Teresa. Eles foram os pais do Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, e de Urraca de Portugal, que casou-se com Bermudo Perez de Trava. Esses sao ancestrais dos Bezerras.

Ao final dessa postagem, abaixo, pode-se seguir as passagens das gerações ai implicadas. Trata-se da linhagem do Domingos Bezerra Felpa de Barbuda, irmão do Antonio do cabeçalho da linhagem postada acima.

http://familybezerrainternational.blogspot.com/2009/12/fontes-sobre-as-origens-da-familia.html

Domingos teria nascido em 1524. E foi natural de Viana do Lima. Antonio havia sido natural de Ponte de Lima. Acredito que isso o faça  mais velho que o Domingos.

Explica-se assim porque, com a posse do território brasileiro por Portugal, as cidades portuárias devem ter tido um visível crescimento. O que atraia populações novas. Seria natural que moradores de Ponte de Lima, dentro do território português, se mudassem para Viana, que eh litorânea.

Outro detalhe foi que o primeiro donatário da Capitania de Pernambuco, Duarte Coelho, ja deveria estar arregimentando pessoas para implantar o que foi dado a dele. Segundo dados históricos, a implantação se deu em 1535. A carta de doação assinada por D. Joao III foi de 10 de março de 1534.

Isso implica que os preparativos tenham se iniciado muito antes. Ou seja, era preciso procurar famílias voluntárias. Tinha-se que construir navios. Provavelmente os maridos seguiram `a frente para “limpar caminho” para receber suas famílias.

E isso representaria gasto de tempo considerável para os dias atuais. Seriam anos de preparação. As pessoas que se mudaram para Pernambuco no inicio de sua implantação ou eram adultos nascidos em torno de 1500 ou seus filhos com idades variadas.

Nesse caso especifico: Antonio Martins e esposa ja maiores de 30 anos e os filhos Domingos e Antonio Bezerra Felpa de Barbuda ja por volta de suas adolescências.

Minha hipótese também explica a sequencia de gerações. Tomando 30 anos como espaço médio entre uma geração e outra temos, a partir do ano de nascimento do Luiz Barbalho Bezerra: 1584, 1554, 1524, 1494.

Essas seriam as datas bases para cada uma das gerações descritas acima. Não posso afirmar que a minha hipótese encaixa-se de todo na realidade. Acredito que seria muito difícil as gerações substituírem umas `as outras em menos tempo.

E vejam que muitos outros adotam 25 anos, ou seja, 4/século. Isso porque os casamentos podiam se dar em idades mais tenras, podendo as mulheres se casar aos 12 anos de idade.

O que acontece eh que as pessoas viviam pouco, em media. Mas poucos descendem dos primogênitos em cada geração. Sendo assim, haviam filhos que nasciam `a altura das idades próximas a 40 anos de seus pais. E deles descendemos tanto quanto dos que nasceram em suas juventudes.

Antonio e Maria foram pais do Domingos em 1524. Se o filho Antonio filho nasceu por volta de 1520, o Guilherme não devera ter sido filho do primeiro casal, e ter sido pai em 1584. Não era incomum alguns homens chegarem aos 60 anos de idade. Incomum era ser pais com idade tão avançada para a época!

O mais provável foi ter havido uma geração intermediaria que eh representada pelo Antonio filho e Maria Araújo.

Para os que me leem com frequência, irão notar que repeti muitas coisas de escritos anteriores. Assim o fiz para facilitar `as pesquisas que outros poderão fazer a partir desse novo texto. Quero apenas facilitar para os outros e também para mim mesmo.

Principalmente quando precisar consultar todas essas referencias. Vez por outra as busco nos mecanismos eletrônicos e eles se negam a responder satisfatoriamente. E ai fica uma recordação melhorada dos meus textos mais antigos.

 

#########################################################################

 

09. ARQUIVO HISTORICO ULTRAMARINHO – FUNDO CONSELHO ULTRAMARINHO – SUMARIOS DAS CONSULTAS MISTAS. (AHU_CU_CONSULTAS MISTAS, COD. 13-18

Creio que essas referencias não nos ajudariam em nossas buscas a respeito de nossa genealogia. Mas devem existir muitos dados para fazer-se as biografias dos personagens.

Estudar isso agora seria um adiantamento em relação ao trabalho. Mas por precaução ja vou anotando as referencias, pois, quem sabe algum dia vou a Portugal, para fazer um verdadeiro livro a respeito de nossos familiares!?

Antes disso era mesmo preciso fazer o “mais facil”!!!:

Visitar o Serro e Diamantina para ver se encontramos os fios das meadas, tanto em relação ao sobrenome Barbalho quanto ao Coelho.

Aos Barbalho nos resta aquela passagem entre o Jose Vaz Barbalho e seus pais e avós. Alem de buscar saber o mesmo em relação `a esposa, Anna Joaquina Maria de Sao Jose.

Dos Coelho resta-nos pelo menos o encaixe entre o avo Jose Coelho de Magalhães e seu possível pai, Manuel Rodrigues Coelho e deste para as raizes.

Alem disso, certificar que a Eugenia Rodrigues da Rocha, esposa do Jose Coelho (ou a primeira esposa dele, Escholastica de Magalhaes), era descendente Barbalho. Para tentar encaixar-se uma raiz com a outra.

Se fosse `as duas cidades do Centro-Norte de Minas Gerais, com tempo para pesquisar, faria questão de verificar todos os nossos outros emaranhados genealógicos, como pelos lados Andrade, Moniz, Pinto e dos familiares correlatos, como os Cunha de Meneses, Coelho Pinto, Coelho de Oliveira, Sousa e Silva e muitos mais.

Por enquanto, fiquemos apenas com o que temos:

http://actd.iict.pt/eserv/actd:CUF006a002/AHU_CU_ConsultasMistas_13_18.pdf

`A segunda pagina do ano de 1667 existem duas menções interessantes:

“16 235 Agostinho Barbalho Bezerra da conta da sua jornada ao descobrimento das minas, e serra das esmeraldas, e outros particulares, e vão as cartas e certidões que se acusam 28 SET 1667”

“16 236V Nomeação de pessoas para o cargo de vedor-geral da fazenda do Estado da India. 20 OUT 1667” [nessa segunda devera haver a menção do nome do Fernando Barbalho Bezerra].

CORRECAO:

“16 282v Sobre o que escreve o Provedor-Mor da Fazenda do Brasil acerca de se haver extinto o oficio de guarda-mor da barra da Baia, e ser provido Fernão Barbalho no posto de capitão e governador do forte de Nossa Senhora do Populo, com as entradas e saídas dos navios. 26 MAI 1668.”

O que mostra que nossas datações estão incorretas relativas ao Francisco Monteiro Barbalho Bezerra, irmão do Fernão, ter assumido o cargo em 1667.

Mesmo porque, foi dito que o Francisco Monteiro aposentou-se em 1704, com um pouco mais de 24 anos de serviço. O que jogaria a posse dele para em torno de 1680.

Foi dito também que eles serviram nesses cargos ao rei Pedro II de Portugal, cuja coroação se deu em 1683, porem, houve um período de regência anterior, a partir de 1668, quando passou a governador em lugar do seu irmão, D. Afonso VI.

MAIS A RESPEITO DOS BARBALHO

“13 90v Com a carta inclusa de Luis Barbalho Bezerra, capitão-mor do Rio de Janeiro sobre a partida da frota 9 ABR 1964”

“13 122 Francisco de Soutomayor, governador do Rio de Janeiro, da conta de como tomou posse daquele governo e avisa de alguns particulares tocantes `a segurança daquela companhia. 28 SET 1644.”

3 cartas: 2 de 7 ABR 1661 e outra de 16 MAI 1661, a respeito dos acontecimentos durante o que se conhece como A Revolta da Cachaça. Consta que a revolta se deu contra Tome Correia de Alvarenga, quando foi contra Salvador Correia de Sa e Benevides, que estava em Sao Paulo e deixou o primo dele em seu lugar.

http://actd.iict.pt/eserv/actd:CUc017/CU-RioJaneiro.pdf

Nessa outra publicacao registra-se:

113. 1643, Outubro, 31, Rio de Janeiro.

Carta da Camara Municipal do Rio de Janeiro dando conta da chegado do capitão-mor Luis Barbalho Bezerra e outras deliberações.

AHU-Rio de Janeiro, cx. 2, doc. 31

AHU_CU_017, cx 2, D. 113

116. 1644, Fevereiro, 4, Rio de Janeiro

116- 1644, Fevereiro, 4, Rio de Janeiro CARTA dos oficiais da Câmara da cidade do Rio de Janeiro ao rei [D. João IV] sobre a chegada do novo capitão-mor e governador desta praça Luís Barbalho Bezerra; a aceitação do subsídio dos vinhos e vintena nos bens dos moradores, a fim de socorrer a Infantaria e o presídio do Rio de Janeiro; informando a pobreza em que se encontra a capitania devido à epidemia de bexigas que dizimou os escravos e reduziu a produção do açúcar; solicitando que parte das moeda cunhada nesta capitania seja aplicada nela para a criação de uma fortaleza; acusando o recebimento de ferros para marcar as patacas e a continuação do trabalho da cunhagem da moeda, conforme ordem do governador-geral do Estado do Brasil, António Teles da Silva. AHU-Rio de Janeiro, cx. 2, doc. 36 AHU_CU_017, Cx. 2, D. 116.

118- 1644, Abril, 20, Lisboa CARTA RÉGIA (minuta) do rei [D. João IV] ao governador e capitão-mor do Rio de Janeiro, Luís Barbalho Bezerra, ordenando que os provedores da Fazenda Real das capitanias do Rio de Janeiro, de São Paulo e de São Vicente enviem todas as sobras da Fazenda Real para o Governo do Rio de Janeiro, bem como o dinheiro dos dízimos, da nova imposição dos vinhos e vintenas, e do cunho da moeda, para se meter em um cofre de três chaves, sob a responsabilidade do dito governador, do reitor dos padres da Companhia de Jesus e do almoxarife, do qual não se gastará nenhum dinheiro sem ordem régia. AHU-Rio de Janeiro, cx. 2, doc. 39. AHU_CU_017, Cx. 2, D. 118.

120- 1644, Maio, 19, Rio de Janeiro CARTA do provedor da Fazenda Real do Rio de Janeiro, Francisco da Costa Barros, ao rei [D. João IV] sobre não haver efeitos para as despesas necessárias desta cidade, devido ao pouco rendimento do vinho, dos vinténs por cada caixa de açúcar e da falta de renda proveniente da graxa de baleia; informando a tentativa falhada do último governador [Luís Barbalho Bezerra] em impôr o subsídio dos vinhos e a vintena nos bens dos moradores, por causa da pouca vontade dos oficiais da Câmara em cumprir tais ordens após a morte do mesmo; a necessidade de rendas para o sustento do presídio e da infantaria; indicando como é arrendado o contrato dos dízimos e como a Fazenda Real sai prejudicada; solicitando instruções acerca do caso do prelado administrador eclesiástico da repartição do sul. AHU-Rio de Janeiro, cx. 2, doc. 42. AHU_CU_017, Cx. 2, D. 120.

121- 1644, Maio, 20, Rio de Janeiro CARTA do governador eleito do Rio de Janeiro, Duarte Correia Vasqueanes, ao rei [D. João IV] sobre o falecimento de seu antecessor, Luís Barbalho Bezerra, sua nomeação feita pela Câmara e povo da cidade; as medidas tomadas para enviar a frota ao Reino; a falta de artilharia, armas e munições para as fortalezas da Barra; a necessidade de reparos nas fortalezas e de armas para os soldados que as guarnecem, sugerindo o aumento das companhias de infantaria existentes naquela cidade e informando que foram levantados tanto o subsídio do vinho, quanto à vintena, ficando o presídio sem rendimento, e sua preocupação com a defesa daquela capitania, por causa do perigo holandês que ainda anda por aquela costa. AHU-Rio de Janeiro, cx. 2, doc. 43. AHU_CU_017, Cx. 2, D. 121.

132- 1645, Janeiro, 9, Rio de Janeiro CARTA dos oficiais da Câmara da cidade do Rio de Janeiro ao rei [D. João IV] sobre a disputa política existente entre o governador desta capitania, Duarte Correia Vasqueanes, e o sargento-mor Simão Dias Salgado, gerada após o falecimento do governador do [Rio de Janeiro] Luís Barbalho Bezerra, solicitando resolução acerca do impasse. AHU-Rio de Janeiro, cx. 2, doc. 55. AHU_CU_017, Cx. 2, D. 132.

A DENUNCIA NA CARTA ABAIXO EH DE INTERESSE PARA FAZER A BIOGRAFIA DE JERONIMO BARBALHO BEZERRA, POIS, FOI CONTRA O SALVADOR CORREIA DE SA E BENEVIDES QUE SE DEU A REVOLTA DA CACHACA (1660-61) E O JERONIMO FOI DEGOLADO POR ORDENS DELE.

135- 1645, Janeiro, 18, Rio de Janeiro CARTA do [governador nomeado para o Rio de Janeiro], Francisco de Souto Maior ao rei [D. João IV] sobre o estado das fortalezas da barra, a falta de artilharia e munições, armas e pólvora e as medidas que tomou para melhorar o seu funcionamento; a administração temporal e espiritual dos jesuítas sobre as três aldeias dos índios desta capitania e uma outra administrada pelo capitãomor dos índios Martim Afonso; informando a influência de Catarina Ugarth, esposa do [ex-governador] Salvador Correia de Sá e Benevides, sobre o principal da aldeia de Martim de Sá, Manuel Ubará Pitanga, além das irregularidades praticadas por aquele governador; descrevendo o estado de insegurança em que vivem os moradores, devido à falta da aplicação da Justiça nesta praça. Anexo: cartas. AHU-Rio de Janeiro, cx. 2, doc. 57. AHU_CU_017, Cx. 2, D. 135.

MAIS UM ENDERECO:

http://actd.iict.pt/eserv/actd:CUc030/CU-ServicoPartes.pdf

15- [post. 1644, Lisboa] INFORMAÇÃO do Conselho Ultramarino sobre os serviços de Guilherme Barbalho Bezerra, fidalgo e comendador da Ordem de Cristo, filho de Luís Barbalho Bezerra, como soldado, alferes e capitão de Infantaria, de [1622] até Dezembro de 1644, na luta contra os holandeses, acompanhado de criados e escravos em Pernambuco, onde foi feito prisioneiro e enviado às Índias, regressou ao Reino e voltou para a defesa de São Salvador, lutou no cerco do conde de Nassau em 1638, tendo regressado para a defesa do Alentejo na companhia do mestre-decampo Luís da Silva Teles. AHU_CU_030, Cx. 1, D. 15.

412- [post. 1684, Agosto, 23, Lisboa] INFORMAÇÃO do Conselho Ultramarino sobre os serviços de Antônio Barbalho, de 1 de Agosto de 1634 a 23 de Agosto de 1684, como soldado, alferes e capitão de Infantaria, contra os holandeses em Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Bahia. AHU_CU_030, Cx. 3, D. 412.

RESOLVI DAR CONTINUIDADE:

http://actd.iict.pt/eserv/actd:CUc017s01/CU-RJaneiroCA.pdf

1644, Janeiro, 31, Lisboa e 1644, Setembro, 6:

AHU_CU_017-01

CONSULTA (2) do Conselho Ultramarino, sobre o agravo que tirou o Capitão Antonio Corrêa do Capitão mor e Governador do Rio de Janeiro Luiz Barbalho Bezerra por se recusar a dar-lhe posse da companhia de Infantaria de que se lhe fizera mercê.
AHU_CU_017-01, Cx. 2, D. 276-277.

S. d.

CAPÍTULO 35 do Regimento dos Governadores do Estados do Brasil, relativo a sua competência para o provimento das serventias dos ofícios de justiça, guerra e fazenda.
Anexa ao n.o 277.

AHU_CU_017-01, Cx. 2, D. 278.

1644, fevereiro, 13, Lisboa

CONSULTA do Conselho Ultramarino, sobre o dinheiro que se mandara abonar ao Governador e Capitão mor Luiz Barbalho Bezerra para socorrer a gente de guerra que do Rio de Janeiro levava para Angola D. Antonio Ortiz de Mendonça.
AHU_CU_017-01, Cx. 2, D. 279-281.

1661, maio, 14, Lisboa

INFORMAÇÃO do Conselho da Fazenda acerca dos documentos referentes mesma sublevação.
Anexa ao n.o 875.
AHU_CU_017-01, Cx. 5, D. 876.

1660, dezembro, 9, Rio de Janeiro

AUTO que mandou fazer o juiz Ordinário Diogo Lobo Pereira a requerimento dos procuradores do Povo da cidade do Rio de Janeiro, sobre a conjuração que se descobrira estar preparada no Convento de São Bento.
Anexa ao n.o 875.

AHU_CU_017-01, Cx. 5, D. 878.

1660, outubro, 30, Rio de Janeiro

AUTOS que se processarão sobre a expulsão que fez o Povo do Rio de Janeiro do governo a Salvador Corrêa de Sá, Thomé Corrêa d’Alvarenga e nova eleição do Governador Agostinho Barbalho Bezerra, prisão dos ditos e cio provedor da Fazenda Real Pedro de Sousa Pereira.

Anexa ao n.o 875.

AHU-Rio de Janeiro-Calmeida, cx. 5, doc. 879. AHU_CU_017-01, Cx. 5, D. 879.

http://actd.iict.pt/eserv/actd:CUc014/CU-Paraiba.pdf

  1. 11-  [post. 1619, Lisboa]INFORMAÇÂO do [Conselho Ultramarino] sobre pertencer a Luís Barbalho de Vasconcelos, por renúncia de seus pais, os serviços de seu avô Luís Mendes de Vasconcelos.
    AHU-Paraíba, mç. 33AHU_CU_014, Cx. 1, D. 11.

    ##########################################################

    1. 53-  [ant. 1663, março, 1, Paraíba]REQUERIMENTO de Filipe Barbalho Bezerra, ao rei [D. Afonso VI], solicitando o título de fidalgo da casa real, o hábito da Ordem de Cristo com comenda de cem mil réis e provimento de capitão-mor da capitania do Rio Grande ou Ceará,quando houver vaga, pelos serviços prestados na Paraíba e na guerra holandesa.Anexo: 4 docs. AHU-Paraíba, cx. 1 AHU_CU_014, Cx. 1, D. 53.

      ######################################################

    Mais que interessante essa ultima referencia! Isso porque, pode ser que hajam mais Filipes. O que tenho noticias são 3 Filipe Barbalho Bezerra na família.
Segundo o autor Borges da Fonseca, houve o irmão do governador Luis Barbalho. Contudo, também afirma que esse casou-se em 24 de setembro de 1608. Ou seja, deveria estar pelo menos com uns 20 anos.
O que o colocaria com uma idade de 75 anos em 1663. Decerto, não deveria haver alguma utilidade para ele tal carta de fidalguia. Se solicitou alguma, devera te-lo feito muito antes da data.
O segundo Filipe mencionado eh o filho daquele primeiro. Dele foi dito ter sido “Cavalleiro da Ordem de Sao Bento, que não casou.” Então, em 1663, por não termos a data de seu nascimento, estaria por volta de seus 50 anos de vida.
Aqui ha um meio termo. Poderia ser ele solicitando um beneficio a mais. Isso porque, naquela idade, quando a maioria dos seus contemporâneos de idade ja haviam falecido, ele ja deveria ter alcançado seus privilégios antes dessa idade. Mas não se sabe!!!
O terceiro e ultimo que tenho noticias foi o segundo filho do Jeronymo Barbalho Bezerra. Jeronymo o qual Borges da Fonseca o deu como filho do Filipe, o primeiro, mas Rheingantz o da por filho do governador Luis Barbalho Bezerra.
Desse terceiro Filipe temos o ano de nascimento que foi em 1647. Ou seja, em 1663 estaria por volta de seus 16 anos de idade. Nesse caso especifico, as guerras contra os holandeses ja haviam terminado. Mesmo que meninos de 8 anos de idade podiam ser alistados pelos pais, não houve tempo hábil para ele lutar nela.
O unico senão de possibilidade ai seria se o Filipe do Jeronymo estivesse requerendo uma compensação em razão de o pai ter lutado na expulsão dos holandeses. E assim poderia ser feito `aquela época.
Isso porque o pai, Jeronymo Barbalho, havia perdido a vida em 1661, em consequência de degolamento e esquartejamento ordenado por Salvador Correia de Sa e Benevides, como punição por ter sido o líder do episódio histórico, ocorrido no Rio de Janeiro, denominado de A Revolta da Cachaça.
Mas os revoltosos, após julgados, foram considerados inocentes das acusações que o ex-governador Sa e Benevides os acusou. Então, o governo português ficou com essa bomba suja em suas mãos para resolver.
Era uma familia que se tornara órfã. O filho mais velho, Jeronymo também, estaria completando 18 anos. Nesse caso, haveria uma tendência a compensar `a família com alguns privilégios da nobreza, da qual os Barbalho Bezerra faziam parte.
Nesse caso, a patente que o pai possuía e o senhorio de engenho devem ter sido passados para o filho mais velho, capitão Jeronymo Barbalho Bezerra. E o Filipe deve ter escolhido a tal carta de fidalgo.
Não posso garantir mas imagino que a carta de fidalguia deveria garantir ao dono todos os privilégios de nobreza. Isso quer dizer que quando houvesse algum cargo chave na administração governamental, os fidalgos tinham prioridade. E cargo correspondia a renda. Dai o privilegio.
Estou me baseando apenas em suspeita e não em conhecimento. Isso porque, dos filhos do Jeronymo tenho certeza apenas que Páschoa e Michaela casaram-se e permaneceram no Rio de Janeiro mesmo. Não tenho o destino dos outros.
Alias, o quinto filho chamou-se Luis Barbalho Bezerra, pois, um irmão de mesmo nome havia falecido criança.
A suspeita de que o Filipe possa ter ido para Pernambuco ou Paraíba se baseia em que Rheigantz também identificou o tio dele, Antonio Barbalho Bezerra, como marido da Joana Gomes da Silveira. E por isso tornou-se o II senhor do riquíssimo Morgado do Salvador do Mundo da Paraíba.
Outro que ficou no Rio de Janeiro, o Agostinho Barbalho Bezerra, clamou dificuldades financeiras após a Revolta da Cachaça. Em seu pedido de mercês ao sr. rei, argumentou que tinha mãe e 3 irmãs pelas quais era responsável.
Assim, os outros devem ter compartilhado as responsabilidades na assistência `a família do Jeronymo, o enforcado. E se o Antonio, marido da Joana, foi mesmo irmão dele, maior teria sido essa responsabilidade.
Alias, seriam irmãos tanto se ambos foram filhos do Filipe quanto se foram do governador Luis. E isso justificaria a presença do Filipe (III) la na Paraíba. E haviam muitos parentes próximos e abastados na área entre Pernambuco e Paraíba.
Novamente, eh apenas uma suspeita não um conhecimento. Imagino que a solicitação de  “titulo de fidalgo da casa real” devia ter os mesmos componentes do pedido de brasão de armas das famílias. Nesse caso, deveria vir acompanhada de uma resenha genealógica.
E ai eh que gostaria de chegar. Se la no Arquivo Histórico Ultramarino houver o registro completo, poderemos ter acesso a pelo menos os nomes dos pais e avos desse Filipe. E ate talvez uma resenha que remonte a mais de 10 gerações.
Torcendo para que seja o Filipe, filho do Jeronymo, isso jogaria por terra a duvida quanto a Borges da Fonseca ou Rheingantz estar correto em relação `a paternidade do Jeronymo.
E mesmo que o Filipe seja um dos outros dois, iríamos jogar uma pa de cal na questão da paternidade do Luis Barbalho Bezerra. Como ele foi irmão do Filipe, e tio do filho deste, os pais do primeiro, ou avos do segundo, serão os pais do Luis.
Em caso de ficar sanada a duvida em favor do Guilherme Bezerra Felpa de Barbuda e Camilla Barbalho, então, constata-se o engano cometido no Pedatura Lusitana, que tem o Luis como filho de Antonio Barbalho e esposa que poderia ser Bezerra ou “Monteira”.
Quiça, haja na documentação uma boa e longa genealogia. Se o Filipe for tanto o irmão quanto o sobrinho do governador, que do lado Barbalho siga por pelo menos umas 5 gerações, porque ai, talvez, iremos descobrir que Antonio Barbalho e Fernão Barbalho foram também nossos ancestrais e, por isso, o engano no Pedatura terá sido menor.
Contudo, essas reflexões são positivas. Ha que nos lembrarmos que a possibilidade de ter havido outro Filipe Barbalho Bezerra eh relativamente alta. E pode ser primo distante, de forma a que a genealogia dele não esclareça a nossa. Portanto ha que se preparar o espirito para uma resposta menos generosa.
O que nos faltaria eh um candidato para fazer essa verificação!!!

 

##############################################################################

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

50 Respostas to “500 ANOS DE HISTORIA E GENEALOGIA DA PRESENCA BARBALHO NO BRASIL”

  1. TRUMPANDO O ELEITOR | Val51mabar's Blog Says:

    […] « ENCONTRO: JOSE VAZ BARBALHO MAIS UMA VEZ E OUTRAS NOTICIAS PARA A FAMILIA COELHO 500 ANOS DE HISTORIA E GENEALOGIA DA PRESENCA BARBALHO NO BRASIL […]

  2. ENCONTRO: JOSE VAZ BARBALHO MAIS UMA VEZ E OUTRAS NOTICIAS PARA A FAMILIA COELHO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  3. OS RODRIGUES COELHO; E ANDRADE DO CARLOS DRUMMOND EM MINAS GERAIS | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  4. UM NOSSO LADO CRISTAO-NOVO E, TALVEZ, OUTRO PAULISTANO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  5. NOS, OS NOBRES, E A AVO DO JUSCELINO TAMBEM PODE TER SIDO BARBALHO COELHO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  6. ALGUMAS NOTAS GENEALOGICAS, 2014/2015 | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  7. GENEALIDADE E GENEALOGIA DE ARY BARROSO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  8. GENEALOGIAS DE FAMILIAS TRADICIONAIS DE VIRGINOPOLIS | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  9. BARBALHO, COELHO E PIMENTA NO SITE WWW.ANCESTRY.COM | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  10. A HERANCA FURTADO DE MENDONCA NO BRASIL | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  11. BARBALHO, PIMENTA E, TALVEZ, COELHO, DESCENDENTES DO REI D. DINIS | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  12. A FAMILIA COELHO NO LIVRO A MATA DO PECANHA | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  13. HISTORICO DO POVOAMENTO MINEIRO, GENEALOGIA COELHO, CIDADE POR CIDADE | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  14. ASCENDENCIA DOS ANCESTRAIS: JOSE COELHO DE MAGALHAES/EUGENIA RODRIGUES ROCHA, UMA SAGA A SER DESVENDADA | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  15. A HISTORIA DA FAMILIA COELHO DO CENTRO-NORDESTE DE MINAS GERAIS. | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  16. ARVORE GENEALOGICA DA FAMILIA COELHO NO SITIO: www.geneaminas.com.br | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  17. RIDICULOSAMENTE FALANDO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  18. A DIVINA PARABOLA | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  19. O LIVRO DO CONHECIMENTO DE DEUS | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  20. 100 REASONS TO AMNESTY THE UNDOCUMENTED WORKERS IN UNITED STATES | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  21. 13 STARS = WOMAN. | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  22. CARTA AO CANDIDATO DO PSOL: PLINIO DE ARRUDA SAMPAIO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  23. 13 ESTRELAS = MULHER | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  24. FAIXA DE GAZA, O TRAVESSAO NOS OLHOS DA HUMANIDADE | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  25. IMIGRACAO: SEM LENCO E SEM DOCUMENTO, O BARRIL TRANSBORDANTE DE INJUSTICAS. | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  26. THE NONSENSE LAW. | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  27. POLITICA, FUTEBOL, MUSAS E PROPAGANDA ELEITORAL ANTECIPADA; OBAMA, GRANDES CORPORACOES E IMIGRACAO. | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  28. CARTA DE LIBERTACAO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  29. About The Third and Last Testament | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  30. A III GM | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  31. TRILOGIA DE VARIEDADES | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  32. NESTE MUNDO, SO NAO EH GAY QUEM NAO QUIZER | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  33. ISRAEL, AS DIVERSAS VERDADES E O PADECECER DA PALESTINA E OUTROS TEXTOS | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  34. MILLOR, MELOU OU MELHOR FERNANDES!? | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  35. RESPOSTA DE UM NEOBOBO AO EXCELENTISSIMO SR. EX-PRESIDENTE, FERNANDO HENRIQUE CARDOSO. | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  36. O DIRECIONAMENTO RELIGIOSO ERRADO NAS QUESTOES ELEITORAIS BRASILEIRAS. | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  37. MINHAS POSTAGENS MAIS RECENTES NO FACEBOOK | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  38. CONSPIRACOES, ALIENIGENAS, TESOUROS DESAPARECIDOS E DOMINACAO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… https://val51mabar.wordpress.com/2016/10/22/encontro-jose-vaz-barbalho-mais-uma-vez-e-outras-noticias-para-a-familia-coelho/ […]

  39. ALIENS, CONSPIRACIES, DISAPPEARED TREASURES AND DOMINANCE | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  40. MEUS GUARDADOS 2015 | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  41. MOVIMENTO: “FORA DILMA, FORA PT”; QUE OSSO CAMARADA?!!! | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  42. UMA VOLTA AO MUNDO EM 4 OU 3 ATOS (POLITICA INTERNACIONAL DO MOMENTO) | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  43. 03. O MENINO QUE GRITAVA LOBO | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  44. MINHAS POSTAGENS NO FACEBOOK I | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  45. MINHAS POSTAGENS NO FACEBOOK II | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  46. MINHAS POSTAGENS NO FACEBOOK III | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  47. A HISTORIA E A FAMILIA BARBALHO COELHO ANDRADE NA HISTORIA | Val51mabar's Blog Says:

    […] Just another WordPress.com weblog « 500 ANOS DE HISTORIA E GENEALOGIA DA PRESENCA BARBALHO NO BRASIL […]

  48. The Third and Last Testament | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  49. Valquirio de Magalhaes Barbalho | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

  50. MEUS ESCRITOS NO FACEBOOK IV | Val51mabar's Blog Says:

    […] https://val51mabar.wordpress.com/2016/12/04/500-anos-de-historia-e-genealogia-da-presenca-barbalho-n… […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: